COBRA PAGES
e seus objetivos
 

reg.

COBRA PAGES: páginas em Educação e Cultura
Filosofia Moderna -  Filosofia Contemporânea - Filosofia no Brasil - Temas de Filosofia - Psicologia e Filosofia da Educação - Teatro Pedagógico - Higiene - Boas Maneiras e Etiqueta - Contos - Restauro - Genealogia - Geologia - Livros do Autor - CONTACTO - ÍNDICE

 

PMF-perguntas
mais freqüentes


Quem somos

 

 Conservação e restauração de livros e documentos:

Perguntas mais freqüentes - I

Respostas dadas pela restauradora
Maria José Távora Queiroz Cobra

Páginas 1 2 3 4 >> próxima                        

Vez por outra recebo uma pergunta sobre restauração ou conservação de livros e documentos. Listo abaixo as perguntas que mais freqüentemente me são feitas, e uma breve resposta a cada uma. Claro que estas recomendações são oferecidas sem qualquer conhecimento detalhado da situação ou condição do material. De fato, seria irresponsabilidade alguém dar opinião ou recomendar qualquer tratamento sem ver o material a ser preservado ou restaurado. Por esse motivo as respostas são escritas em termos gerais, apenas procurando indicar que existem soluções possíveis para muitos dos problemas de restauração e conservação. Recomendo insistentemente que você procure um bom técnico com experiência em restauração de livros e documentos se o material a restaurar é importante e valioso.

1. Você conhece algum local onde aprender a restaurar livros?

A respeito de locais em que se fazem restaurações de documentos, existem alguns bons, no Rio: Biblioteca Nacional, Arquivo Nacional, Fundação Casa de Rui Barbosa; em Belo Horizonte: CCECOR - Centro de Conservação de Obras Raras; em São Paulo: Museu Lasar Segall, o Museu Paulista e a Biblioteca Municipal Mario de Andrade; em Brasília: Laboratório da Imprensa Nacional e Laboratório do CEDOC da UnB.

Fora do Brasil existem centros muito modernos como o Laboratório de Restauração da Biblioteca Nacional em Lisboa, o da Fundação Ricardo Espírito Santo Silva, Serviço de Encadernação e Restauro do Arquivo Nacional da Torre do Tombo, a Oficina de Restauro do Arquivo Histórico Ultramarino, a Oficina de Restauro da Fundação Calouste Gulbenkian, e, dependendo da 2a. língua que você falar, o Laboratório Central de Restauração em Madri, a Biblioteca do Congresso em Washington, Estados Unidos, e outros em Firenze (Florença), em Roma, etc.

2. Gostaria de saber se você oferece curso nessa área e se há possibilidade de fazer um curso com você.

Presentemente estou sob contrato com o Centro de Documentação da Universidade de Brasília - CEDOC. No laboratório do CEDOC fazem estágio os alunos dos cursos de Arquivologia e Biblioteconomia da Universidade.

3. Você pode resumir uma orientação geral para os meus livros, alguns com mais de um século de impressos?

Livros produzidos de fins do século XVIII até recentemente são as maiores vítimas de deterioração e envelhecimento, e isso se deve à má qualidade da matéria prima e do processamento com produtos agressivos, o que, aliado aos altos valores de umidade e temperatura, propiciam o enfraquecimento e conseqüente fragmentação do papel. Somente em laboratório é possível reverter um pouco esse prejuízo, mediante banho das folhas do livro para desacidificá-las.

Como medida de conservação de acervos aconselha-se a higienização permanente das instalações. Se a coleção está em estantes de madeira, melhor passá-la para estantes de aço. Retirar os volumes das prateleiras, proceder a limpeza das mesmas (as prateleiras) com um pano ligeiramente úmido (não bater o pó).

Fazer a limpeza do miolo do volume com uma trincha bastante macia, página por página, se possível em uma "capela" ou em local ventilado, utilizando máscara e luvas cirúrgicas, para evitar problemas de alergia ou contaminação por fungos. Essa operação NÃO deve ser feita com aspirador de pó, pois a sucção poderá danificar irreparavelmente uma folha já fragilizada.

Fazer a limpeza dos cortes dos volumes com flanela de cor branca, seca, ou com uma trincha estreita e macia, tendo o cuidado de manter o volume bem fechado (em laboratório usa-se a chamada "prensa vertical"), para que o pó não infiltre ou aconteçam rasgos nas páginas. Se os cortes estiverem muito enegrecidos, sujos de gordura ou com marcas deixadas por insetos pode fazer a limpeza com uma lixa fina (por exemplo: Norton, amarela, n. 100), em movimentos suaves ao longo do corte. Proteja a capa do atrito da lixa inserindo uma folha de papel como uma orelha entre a beirada da capa e o corte ou miolo do volume.

Depois dessa operação de limpeza, se o volume tem capa de couro, ou apenas a lombada em couro, passar um pano ou flanela secos para retirar a poeira e em seguida aplicar uma cera incolor própria à base de cera de abelha ou carnaúba, sempre em movimentos circulares com os dedos o que facilita a penetração da cera. Mas verifique antes se o estado do couro suportará essa operação. Não a faça se o couro estiver muito ressecado e já formando pó (Neste caso é necessário um fixativo o que é trabalho de laboratório).. Cuidado para não sujar ou destacar a impressão a ouro acaso existente no dorso do volume. Existe uma cera incolor a venda em são Paulo de nome COLT que é de muito boa qualidade para esse fim ou então a cera americana FREDELKA, específica para encadernações. Tomar cuidado nessa operação para não atingir as partes de papel do volume. Colocar o volume em pé ligeiramente aberto e no dia seguinte dar o polimento com flanela para remover o excesso de cera e dar brilho.

Climatização é a forma mais eficiente de conservação. Para tanto se faz necessário que a ambientação permaneça estável, com valores em torno de 18 a 20 graus cent. de temperatura e 55 a 60% de umidade relativa do ar. Geralmente se faz necessário um sistema combinado de refrigeração e de desumidificação, pois os parâmetros climáticos das regiões tropicais (grande parte do Brasil) estão muito distantes, positivamente, dos valores ideais. Porém, nas épocas secas, poderá ser necessário elevar a umidade ambiente ao nível indicado.

Também causam bastante dano aos materiais usados nos livros, os raios ultravioletas presentes tanto na luz solar (ação mais rápida) como na iluminação artificial (normalmente de ação mais lenta). Entre outros malefícios, eles contribuem para a oxidação da celulose do papel, pela ação fotoquímica. É preciso observar a incidência de uma e de outra e minimizar tanto a incidência da luz solar, fechando janelas, quanto da luz artificial, diminuindo a exposição do acervo à luz elétrica.

Os livros quando muito comprimidos nas prateleiras, obrigam a sua retirada de maneira incorreta, o que danifica as lombadas e fatalmente leva ao dano da encadernação.

Mais informações, recorra aos livros e artigos indicados na página Bibliografia

4. Uma pessoa aconselhou a tratar o livro empastelado com gasolina, e não deu certo. Que pode ser feito?

Desconheço qualquer técnica presentemente em uso para recuperar livros empastelados. Se você sabe da existência de livros ou documentos empastelados (páginas coladas) alerte o responsável para que não descarte nem dê por definitivamente perdido esse material. Está em pesquisa um método com o uso de raios gama que pode trazer a solução. O material deve ser conservado com os mesmos cuidados proporcionados aos demais documentos e livros, a fim de aguardar a divulgação dessa técnica. Não jogar fora livros empastelados que possam ser valiosos!

5. Gostaria de restaurar (capas) alguns livros antigos. Poderia me dar dicas para este trabalho? Onde encontro o material necessário?

Espero que a seguinte orientação geral sobre restauração de livros sirva de ponto de partida para você:

Toda restauração, é feita após um diagnóstico técnico. É tarefa para um especialista e requer a infra-estrutura de um laboratório. Se no momento você não dispõe dessas condições, pode mandar fazer caixas de material desacidificado ( não ácido), no tamanho próprio de cada livro, e assim mantê-lo protegido. No lado da caixa correspondente ao dorso pode indicar o título, data, etc.

Para qualquer pequeno reparo que deseje fazer, use material livre de acidez: emprega-se normalmente como adesivo a metil-celulose e como reforço o chamado "papel japonês". Para mais que isso seria conveniente que fizesse primeiro um estágio em um laboratório de restauração de livros e papeis.

Sobre locais onde estagiar para aprender técnicas de restauração, veja, por favor, a resposta à pergunta n.1.

Mais informações, recorra aos livros e artigos indicados na página Bibliografia.
 

anterior << Páginas 1 2 3 4 >>próxima

 

 

Direitos reservados. Para citar este texto: Maria José Távora Cobra - Conservação e restauração de livros e documentos: perguntas mais freqüentes. Site COBRA PAGES, www.cobra.pages.nom.br, Internet, Brasília, 2001. ("www.geocities.com/cobra_pages" é "Mirror Site" de COBRA.PAGES)

Obrigado por visitar COBRA PAGES