Ivan de Medeiros Tinoco

Hoje: 26-10-2021

Página escrita por Rubem Queiroz Cobra
Site original: www.cobra.pages.nom.br

Nestas notas, apesar de não desejar que sejam muito extensas, não posso deixar de abrir espaço para um resumo biográfico de Ivan de Medeiros Tinoco, outro geólogo da mesma mencionada safra de naturalistas, com doutorado em Geologia. Paraibano de João Pessoa, nascido em 1927, foi para o Rio de Janeiro em 1948, e lá se empregou no Laboratório de Análises Clínicas do Hospital dos Servidores do Estado. Bacharelou-se em 1952 na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade do então Distrito Federal. A admiração pelo seu professor de Paleontologia Emanuel Martins fez com que escolhesse essa especialidade para sua futura carreira de pesquisador e professor. Já em 1955 dedicou a esse mestre uma espécie de foraminifera por ele descoberta, à qual deu o nome Parrima martinis.

No Rio de Janeiro casou, ainda universitário, em 1951, com a farmacêutica bioquímica Irene Maia Tinoco, e realizou vários estágios e cursos de aperfeiçoamento, o mais longo e significativo o estágio que fez no Laboratório de Paleontologia do Departamento Nacional da Produção Mineral, primeiro como bolsista em 1954, depois como Pesquisador Associado, de 1955 a 1959.

Tinoco foi contratado em 1959 pela Campanha de Formação de Geólogos (CAGE), Professor Catedrático de Micropaleontologia, e também Professor Assistente de Paleontologia, esta última disciplina lecionada pelo admirável Professor Karl Beurlen.

Amigo de todos, sempre disposto a conceder um dedo de prosa a quem o abordasse, lecionava com pontualidade e competência, e dedicava-se incansavelmente ao trabalho, tendo com sua lupa identificado mais de 19 espécies novas de Foraminifera, das quais 14 foram já aceitas e incluídas no registro internacional do Catalogue of Foraminifera.

Passou, com todos os demais professores a lecionar no Departamento de Geologia, constituído com a reforma universitária. Defendeu em 1971 tese de doutorado na Universidade de São Paulo – USP, por convite daquelas duas figuras, das mais ilustres entre os geólogos do meu tempo, o Dr. Viktor Leinz e o Dr. Josué de Camargo Mendes, professores daquela Universidade.

Membro Associado da Academia Brasileira de Ciências, Ivan Tinoco foi Diretor da antiga Escola de Geologia de 1963 a 1964, diretor do novo Departamento de Geologia de 1968 a 1970, e aposentou-se como Professor Adjunto da Universidade Federal de Pernambuco. Atualmente reside em Gravatá, cidade muito buscada pelos recifenses para residência de férias, e onde sua mulher mantém um laboratório de análises clínicas.

Ivan de Medeiros Tinoco – OBRAS

  • TINOCO, I. M. 1967. Foraminíferos do Atol das Rocas. Trabs. Inst. Oceanogr. vol. 7/8, p. 91-114.
  • TINOCO, I. M. and ET AL. 1968. The mesozoic-tertiary boundary in Northeastern Brazil. Palaeogeography, Palaeoclimatology, Palaeoecology. vol. 4, p. 161-185.
  • TINOCO, I. M. and ET AL. 1975. Observações paleoecológicas sobre as bacias mesozóicas do Iguatú, Icó, Rio do Peixe e intermediárias. In SIMPÓSIO DE GEOLOGIA DO NORDESTE, 7. Atas do 7º Simpósio de Geologia do Nordeste. Fortaleza:Sociedade Brasileira de Geologia. p. 95-107.
  • TINOCO, I. M. 1975. O estabelecimento e o desenvolvimento da província biogeográfica das Índias Ocidentais. Arquivo do Museu Nacional. vol. 55, p. 167-171.
  • TINOCO, I. M. 1977. Foraminíferos bentônicos da Formação Maria Farinha (Paleoceno de Pernambuco). In SIMPÓSIO DE GEOLOGIA DO NORDESTE, 8., 1977, Campina Grande.Atas do 8º Simpósio de Geologia do Nordeste. Sociedade Brasileira de Geologia. p. 65-100.
  • TINOCO, I. M. 1985. Foraminíferos planctônicos dos sedimentos superficiais da margem continental do Estado do Pará e Território do Amapá. In ANAIS…, 1993.8º Congresso Brasileiro de Paleontologia. Rio de Janeiro: vol. 27, p. 507-516. Série Geológica.

Rubem Queiroz Cobra

Página lançada em 15-01-2001 e atualizada em 10-08-2020.

Direitos reservados.
Para citar este texto: Cobra, Rubem Q. – Ivan de Medeiros Tinoco. Site www.cobra.pages.nom.br, Internet, Brasília, 2020.