Velocidade da Reação de Maturidade

Hoje: 29-05-2022

Página escrita por Rubem Queiroz Cobra
Site original: www.cobra.pages.nom.br

Entre as pessoas há uma variação facilmente mensurável da velocidade da transmissão de correntes elétricas nos neurônios. Em média, segundo resultado de pesquisa na internet, a excitação nervosa caminha com a velocidade média de 70 metros por segundo, cada indivíduo tem um coeficiente pessoal de velocidade de corrente nervosa característica dele. Isso resulta no fato de que algumas pessoas são mais rápidas do que outras em suas reações no esporte, nas interpretações de textos ou na tomada de decisões, do que outras.

No famoso observatório de Greenwhich no século XVIII, as medidas de tempo do astrônomo “A” diferiam sempre de 1/6 de segundo das do astrônomo “B”.

O grande astrônomo Bessel, que foi o primeiro a determinar a distância de uma estrela fixa, convenceu-se que essas divergências na medida do tempo se deviam a diferir, conforme a pessoa, a velocidade de sua condução nervosa.

O treino encurta o temo de reação. Quanto mais vezes for utilizado um condutor nervoso, mais rápida será sua condução.

Indivíduos com baixa determinação poderão, mediante exercícios apropriados repetidos, adquirir reações mais vivas, mais abrangentes? Esta é uma questão que os psiquiatras que se impressionarem com a imaturidade, que vemos demonstrada a todo instante, poderiam assumir responder.

Em um episódio, a maturidade pode não encontrar tempo para se manifestar, uma vez que depende de respostas de aptidões mentais. Estas precisam ser acionadas pela reação a um estímulo de modo simultâneo para se somarem ao resultado, que será uma reação madura. Então, uma reação impensada poderá assumir a situação e não restar ao indivíduo nada senão arrepender-se depois, em caso de prejuízo. É de se esperar que uma reação madura imediata somente poderá ocorrer nos casos em que já faça parte da experiência do indivíduo maduro. Nas situações novas, porém, o indivíduo poderá reagir de modo primitivo e impensado. Em tal episódio, será o indivíduo responsável por sua reação intempestiva inadequada?

O Ego é pressionado pelos desejos insaciáveis do Id, a severidade repressiva do Superego e os perigos do mundo exterior. Se o Ego submete-se ao Id, torna-se imoral e destrutivo, se submete-se ao Superego, enlouquece de desespero, pois viverá numa insatisfação insuportável, e, se não se submeter à realidade do mundo, será destruído por ele. Por esse motivo, a forma fundamental da existência para o Ego é a angústia existencial, tema que seduziu a Sartre. Estamos divididos entre o princípio do prazer, que não conhece limites, e o princípio de realidade, que nos impõe limites externos e internos. Tem a dupla função de, ao mesmo tempo, recalcar o Id, satisfazendo o Superego, e satisfazer o Id, limitando o poder do Superego. No indivíduo normal, essa dupla função é cumprida a contento. Nos neuróticos e psicóticos o Ego sucumbe, seja porque o Id ou o Superego são excessivamente fortes, seja porque o Ego é excessivamente fraco.

Não temos consciência dessas aptidões, mas conhecemos suas manifestações, que nos permitem avaliá-las. Obviamente, não será “maduro” aquele indivíduo cujo comportamento é dominado por apenas uma ou por algumas dessas aptidões, por ausência ou deficiência das demais.

O trabalho a ser feito para o melhoramento da sua maturidade de uma pessoa terá que abranger as aptidões necessárias, e não apenas uma delas.

Rubem Queiroz Cobra

Página lançada em 07-02-2022.

Direitos reservados.
Para citar este texto: Cobra, Rubem Q. – Velocidade da reação de maturidade. Site www.cobra.pages.nom.br, Internet, Brasília, 2022.