O Carnaval e seus Contrários

Hoje: 04-03-2024

Página escrita por Rubem Queiroz Cobra
Site original: www.cobra.pages.nom.br

No Brasil o Carnaval começou no período colonial, porém a origem da festa é de quase 500 anos antes. A festa foi uma invenção do prefeito de Veneza, Vitale Faliero, de acordo com Isa Discacciati, em Italiaperamores.com/historia. Vitale idealizou uma festa como uma despedida, às vésperas da Quaresma, durante a qual não se come carne, como um adeus (carnevale) da qual toda a cidade participou, com as mesmas características que hoje conhecemos. Muita brincadeira nas ruas, fantasias, máscaras, músicas satíricas, zombaria dos políticos e os memos exageros que persistem até o carnaval de hoje.

Na Europa o carnaval ganhou grande popularidade, porém, com uma forma mais contida que o modo que tem atualmente no Brasil, e com particularidades nacionais, de modo que ir brincar em outro país tornou-se opção para todo europeu, uma vez que as fronteiras são abertas e o folclore sempre tem novidades quando elas são atravessadas.  

Também nos Estados Unidos, tornou-se uma festa popular no Sul, principalmente o tradicional Carnaval de New Orleans, o Mardi Gras, que é um dos principais espetáculos e festejos tradicionais e repete por séculos uma tradição histórica que foi importada lá do tempo da colonização pelos europeus.

Alarmados com o que viam, que a igreja considerava em grande parte pecado, os católicos criaram um carnaval de inspiração religiosa como desagravo ao carnaval pagão inventado por Vitale. Também essa forma religiosa persistiu, e ganhou mesmo certa popularidade. Mas não motiva movimentação fora das paróquias sendo apenas circunscrito a uma igreja local. O professor de História da FMU (Faculdades Metropolitanas Unidas) Eduardo Molina acrescenta que a proposta destes encontros religiosos é unir lazer, convívio social e oração. O carnaval em retiro é um misto de festa, reflexão, entusiasmo e conversões, que une milhares de pessoas pelo amor, fé e solidariedade.

O carnaval brasileiro continua a ser considerado o mais animado, colorido, musicalizado e ousado do mundo. Apresenta muito brilho em cada Estado, com tradições tais como Boizinho (Rio de Janeiro e São Paulo), frevo (Recife e Olinda), em Santa Catariana tem desfiles de escolas de samba, blocos de rua, festas na praia, shows e baladas noturnas. Uma característica que é provavelmente exclusiva do carnaval de Porto Alegre são as Muambas, ensaios dos blocos e escolas feitos como uma prévia para o desfile oficial. Carros alegóricos, trios elétricos, escravos de Mauá e outros blocos de rua. Assim como o carnaval europeu promove uma mobilidade muito grande de foliões entre os Países naquele continente, no Brasil essa mobilidade também é vista no grande trânsito de foliões ente os Estados, chegando a causar dificuldades para o transporte interurbano e interestadual.

Retiros e encontros marcam o carnaval na Arquidiocese de Juiz de Fora. Em Salvador, com o objetivo de vivenciar momentos mais intensos de aproximação com Deus, inúmeros fiéis participam de retiros espirituais durante o período do carnaval. O Retiro de Carnaval da Comunidade Católica Shalom no Rio de Janeiro, promove atividades culturais e de espiritualidade voltadas para jovens, famílias, crianças e adultos. O mesmo ocorre nas demais capitais brasileiras.

Rubem Queiroz Cobra

Página lançada em 16-02-2023.

Direitos reservados.
Para citar este texto: Cobra, Rubem Q. – O carnaval e seus contrários. Site www.cobra.pages.nom.br, Internet, Brasília, 2023.