Determinação de Datas Aproximadas para Nascimentos e Casamentos nos Séculos XVII e XVIII

Hoje: 01-08-2021

Página escrita por Rubem Queiroz Cobra
Site original: www.cobra.pages.nom.br

A determinação de um período para busca de um documento é de importância crucial em genealogia. Por exemplo–: Entre que datas procurar um registro de casamento?

Existem várias combinações de dados que poderão indicar períodos óbvios de busca de documentos nos arquivos, como a vinculação a algum fato político do qual se sabe que o indivíduo pesquisado participou. Alguém que tenha participado de uma guerra, será obviamente pesquisado no período dessa guerra, ampliado para cobrir a idade mínima e máxima da vida militar. Porém, quando nada existe que permita essa definição segura de um período de busca, há que recorrer a certas conjecturas.

Para calcular um período de busca são importantes fatores de época como período médio de vida, idade normal para ingresso nas escolas, para o casamento, o período de fertilidade do casal, e outros eventualmente aplicáveis. Em nossas pesquisas conseguimos alguns resultados na escolha de períodos para a pesquisa seguindo o método abaixo. Os exemplos são baseados em registros religiosos de Almada e Caparica, encontrados no Arquivo Distrital de Setúbal, Portugal, datados dos séculos XVII e XVIII.

FATORES:

  1. Nascimento, deduzido da data conhecida do casamento de mulher: No caso de primeiro casamento, a data do nascimento deve estar entre -15 e -20 anos; um segundo casamento entre -20 a -35. O nascimento de um homem, entre -20 a -25 da data conhecida do primeiro casamento; ou -25 a -50 do segundo casamento.
  2. Período de fertilidade. O período de fertilidade de um homem, na época era relativamente longo. Porém, na mulher, devido a problemas de saúde decorrentes de muitas gestações e partos (10 a 15) e à precariedade da medicina na época, o período de fertilidade, dentro do casamento, calculamos que ficasse reduzido a cerca de 20 anos, mesmo que ela se casasse muito jovem.
  3. A expectativa de vida( não a duração média) era tão incerta em todos os países que este é um fator praticamente inaplicável nos cálculos de longevidade para determinação de óbito, a partir de datas de nascimento, ou de casamento. No período considerado, em Portugal, uma boa parte da população atingia os 60 anos, mas a média, puxada para baixo devido a alta mortalidade infantil, não passaria dos 40 anos.
  4. Patentes militares. Estas eram conferidas conforme a três variáveis, o que torna difícil sua utilização na procura de períodos relativos a nascimentos, casamentos e óbitos. Variavam quanto à idade, quanto à fortuna e quanto ao prestígio do titular. Porém, de um modo geral, um Sargento-mor era mais rico, mais velho, e mais influente que um homem que ostentasse a patente de Capitão, e este seria pelo menos mais velho que um Alferes. As idades prováveis seriam 45 a 50, 30 a 40, e 20 a 30 anos, respectivamente.

I. Data do casamento dos pais a partir da data do nascimento de um filho

Os fatores acima ajudam a encontrar o período (não a data exata) mais provável em que estaria o registro de casamento dos pais, a partir da data conhecida de nascimento de um filho, nos séculos XVII e XVIII.

O ano mais próximo seria o do próprio nascimento do filho considerado. O ano mais distante do período seria determinado pela subtração do dos anos de fertilidade da mãe, que estimamos em 20 anos.

Exemplo: Os filhos de Catarina e Simão da Mota nasceram Tereza em 1665; Micaela em 1665; Catarina em 1666, Violante em 1667, Arcângela em 1671, Maria em 1673, Natália em 1679; Luísa em 1681; Joana em 1684 = 19 anos de fertilidade.

Supomos que apenas o registro de Arcângela, nascida em 1671, fosse conhecido. Teríamos como período provável do casamento de seus pais os anos entre 1671 em que ela nasce, e 1671 – 20 anos em que também poderia ter ocorrido seu nascimento, chegando o limite a 1651.

No caso deste exemplo, considerando cada data de nascimento como o limite mais próximo, e subtraindo-se os anos de fertilidade da mulher da data de nascimento de cada filho, teríamos os seguintes períodos prováveis para procurar a data do casamento de Simão da Mota e Catarina:

Teresa
Micaela
Catarina
Violante
Arcângela
Maria
Natália
Luísa
Joana
1665 – 20 = 1645 a 1665
idem
1666 – 20 = 1646 a 1666
1667 – 20 = 1647 a 1667
1671 – 20 = 1651 a 1671
1673 – 20 = 1653 a 1673
1679 – 20 = 1659 a 1679
1681 – 2 0= 1661 a 1681
1684 – 20 = 1664 a 1684

Catarina e Simão da Mota se casaram em 1664. O resultado do cálculo do período para seu casamento a partir da data de nascimento de qualquer dos filhos do casal que fosse o único conhecido (não se encontrando os registros dos demais), teria o ano de 1664 incluído, como mostra o quadro acima.

II. Período para o casamento dos pais a partir da data do casamento de um filho ou filha.

Não havendo no registro do casamento de um filho ou filha a idade do noivo ou da noiva, o primeiro passo é encontrar o período provável em que cairá a data de nascimento de um deles, ou seja, levamos em conta o fator n.1 acima, para um primeiro casamento. Encontrado o período provável do nascimento, temos dois extremos separados por 5 anos. Então aplicamos o mesmo cálculo do exemplo I (ou seja, encontrar uma data de casamento a partir da data de nascimento de um filho), separadamente a cada uma das duas datas extremas do período determinado para nascimento do conjuge considerado (o filho ou a filha). Os dois resultados indicarão os dois extremos prováveis do período em que os pais se casaram. OK.

Exemplo: Domingos, filho de Natália de Jesus, casou em 1734 com Paula Maria, primeiro casamento. Recuando respectivamente -20 e -25, para Domingos, seu nascimento estaria entre 1709 e 1714. Pela primeira data, o casamento de seu pai com Natália estaria entre 1709 e (1709-20 (anos férteis) = 1689 e ; pela segunda data o casamento estaria entre 1714 e (1714-20 =) 1694. Período para busca, 25 anos, de 1689 a 1714: De fato, encontramos o casamento de sua mãe Natália de Jesus com seu pai Domingos Rodrigues, em 1703.

Rubem Queiroz Cobra

Página lançada em 21-08-2001.

Direitos reservados.
Para citar este texto: Cobra, Rubem Q. – Determinação de datas aproximadas para nascimentos e casamentos nos séculos XVII e XVIII. Site www.cobra.pages.nom.br, Internet, Brasília, 2001.