A Psicologia Analítica

Hoje: 21-04-2024

Página escrita por Rubem Queiroz Cobra
Site original: www.cobra.pages.nom.br

Carl Gustav Jung alcançou reconhecimento internacional por meio de seus estudos psicológicos e psiquiátricos e trabalho terapêutico. Contemporâneo e ex-colega de Sigmund Freud, ele foi um pensador altamente original e promoveu o que chamou de psicologia analítica em vez da psicanálise de Freud. Ele desenvolveu os conceitos de personalidade extrovertida e introvertida e de arquétipos e inconsciente coletivo. Seu trabalho tem sido influente na psiquiatria e no estudo da religião e áreas afins. A maior parte de seus livros são longos, técnicos e destinados a analistas e estudiosos. Mais tarde em sua vida, ele produziu algumas obras mais curtas e acessíveis, incluindo Modern Man in Search of a Soul (1933), uma avaliação dos dilemas religiosos modernos; Auisiitze zur Zeitgeschichte (1946; Essays on Contemporary Events, 1947), um estudo dos problemas da Segunda Guerra Mundial; Antwort auf Hiob (1952; Answer to lob, 1954), um ensaio que ataca as visões convencionais de Deus; e Erinnerungen, Triiume, Gedanken (1962; Memories, Dreams, Reflections, 1963), um ensaio autobiográfico publicado postumamente (Agência Lenl Iseley-Nancy Palmer).

Jung nasceu em 26 de julho de 1875, em Kesswil, Suíça, filho de um filólogo e pastor. Sua infância foi solitária, embora enriquecida por uma imaginação vívida; e desde cedo observou o comportamento de seus pais e professores, que ele tentou resolver. Especialmente preocupado com a falta de crença de seu pai na religião, ele tentou comunicar a ele sua própria experiência de Deus. Embora o Jung mais velho fosse em muitos aspectos um homem gentil e tolerante, nem ele nem seu filho conseguiram se entender. Jung parecia destinado a se tornar um ministro, pois havia vários clérigos em ambos os lados de sua família. Na adolescência, ele descobriu a filosofia e leu muito, e isso, juntamente com as decepções de sua infância, o levou a abandonar a forte tradição familiar e estudar medicina e tornar-se psiquiatra. Foi aluno das universidades de Basel (1895-1900) e Zurique (M.D., 1902).

Depois de começar a trabalhar na Clínica Psiquiátrica Universitária em Zurique, ele teve a sorte de se juntar à equipe do Asilo Bergholzli em Zurique na época (1902) quando estava sob a direção de Eugen Bleuler, cujos interesses psicológicos iniciaram o que são agora consideradas pesquisas clássicas em doenças mentais. Em Bergholzli, Jung começou, com notável sucesso, a aplicar testes de associação iniciados por pesquisadores anteriores. Ele estudou, especialmente, as respostas peculiares e ilógicas dos pacientes a palavras-estímulo e descobriu que elas eram causadas por grupos de associações emocionalmente carregadas retidas da consciência por causa de seu comportamento desagradável, imoral (para eles) e frequente. conteúdo sexual. Ele usou o agora famoso termo complexo para descrever tais condições.

Essas pesquisas, que o estabeleceram como um psiquiatra de renome internacional, levaram-no a entender as investigações de Freud; suas descobertas confirmaram muitas das ideias de Freud, e. por um período de cinco anos (entre 1907 e 1912), foi colaborador próximo de Freud. Freud ocupou cargos importantes no movimento psicanalítico e foi amplamente considerado como o sucessor mais provável de o inventor da psicanálise. Mas este não era para ser o resultado de seu relacionamento. Parcialmente para temperamental razões e em parte devido a diferenças de ponto de vista, a colaboração terminou. Nesta fase Jung diferiu com Freud em grande parte sobre a insistência deste último na questão sexual.

Bases da neurose. A ruptura formal veio em 1912, com a publicação de Wandlungen und Symbole, de Jung (Psicologia do Inconsciente, 1916), que correu contrário a muitas das ideias de Freud. Embora Jung tivesse sido eleito presidente da Associação Psicanalítica Internacional Society em 1911, ele renunciou à sociedade e foi o cofundador (com A. Maeder) de uma nova escola em Zurique.

Sua primeira conquista foi diferenciar duas classes de pessoas de acordo com os tipos de atitude: extrovertidos (voltados para fora) e introvertidos (voltados para dentro). Mais tarde, ele diferenciou quatro funções da mente – pensamento, sentimento, sensação e intuição – uma ou mais das quais predominam em qualquer pessoa. Os resultados deste estudo foram incorporados em Psychologische Typen ,1921 e Psychological Types, 1923. A ampla erudição de Jung foi bem manifestada aqui, como também em A Psicologia do Inconsciente.

Quando menino, Jung teve sonhos e fantasias grandemente exóticas que se desenvolveram com intensidade incomum. Após seu rompimento com Freud, ele se deixou novamente levar por essa peculiaridade da sua vida onírica, a fim de estudá-la e deu livre expressão ao lado emocional de sua natureza, escrevendo detalhadas notas de suas bizarras experiências. Mais tarde, ele desenvolveu a teoria de que essas experiências vieram de uma área da mente que ele chamou de “inconsciente coletivo”, que ele sustentava ser compartilhado entre os seres humanos. Na verdade, ele estava nomeando uma das maiores descobertas dos fisiologistas sobre o cérebro, e que permanece inexplicável: o pensamento, considerado consciência ativa e transcendente à matéria, se originar de alterações físicas em elementos das fibras associativas do sistema nervoso no cérebro, e se incorporarem aos traços genéticos do indivíduo gerando uma influência não consciente capaz de governar o seu pensamento e seu comportamento, e de ser transmitida geneticamente.

Com os estudos de Darwin (The Expression of Emotions on Man and Animals – A Expressão das Emoções no Homem e nos Animais-, Ed. John Murray, Londres, 1872) e o desenvolvimento da neurofisiologia a partir de 1865, que explicavam a origem das emoções e porque estímulos químicos alteravam estados mentais como se fossem ideias subconscientes, a Psiquiatria ganhou uma importante nova porta de acesso a uma enorme quantidade de doenças mentais.

Rubem Queiroz Cobra

Página lançada em 27-03-2023.

Direitos reservados.
Para citar este texto: Cobra, Rubem Q. – A Psicologia Analítica. Site www.cobra.pages.nom.br, Internet, Brasília, 2023.