COBRA PAGES
e seus
objetivos
--
Quem somos

reg.

COBRA PAGES: páginas em Educação e Cultura
Filosofia Moderna -  Filosofia Contemporânea - Temas de Filosofia - Psicologia e Educação
Boas Maneiras e Etiqueta -
Contos - Restauro - Genealogia - Geologia - Livros do Autor - CONTACTO

 

PMF-perguntas
mais freqüentes

ÍNDICE

 

COBRA PAGES não é uma livraria virtual. Os livros e monografias expostos à venda são exclusivamente os do próprio autor do Site

O livro UM COMERCIANTE DO SÉCULO XVIII

O livro não está nas livrarias, porém podem ser solicitados através de mensagem. Veja em como comprar
ou
acione os links a seguir para mais informações sobre o livro

Sinopse

A Autora

Condes de Assumar

Opiniões sobre o livro

*
Todos os livros e Monografias

*

Sobre Segurança na compra clique em SEGURANÇA, perguntas e respostas.

Importante para a reconstituição do Caminho Velho das Minas, ou Estrada Real, o Diário de Viagem do Conde de Assumar, é integralmente transcrito no livro. O Conde viajou em 1717, de Lisboa até Mariana, nas Minas do Ouro, passando por São Paulo. Além da transcrição do seu diário de viagem, o livro mostra alguns negócios de terras, minerações e escravos realizados pelo Conde de Assumar e tem a genealogia do seu procurador Domingos Rodrigues Cobra. Deste comerciante, que tinha negócios também na Bahia, descende o ramo brasileiro da família, formado pelos Rodrigues Cobra, Nogueira Cobra, Barros Cobra e Junqueira Cobra radicados originalmente em Minas Gerais.

 

Veja, abaixo, mais informações sobre o livro na sua SINOPSE,

 

 

Clique neste link
para ver a opinião dos leitores sobre o livro
Um Comerciante do século XVIII

        SINOPSE:

O livro UM COMERCIANTE DO SÉCULO XVIII

Nosso livro Um comerciante do século XVIII é voltado principalmente para dois personagens da história de Minas Gerais: O Conde de Assumar, que governou a Capitania de São Paulo e Minas do Ouro no início do século XVIII, e Domingos Rodrigues Cobra o qual, como procurador do Conde, deu-lhe condições para a realização de negócios de certo vulto enquanto Governador. O conteúdo do livro é ainda importante no que diz respeito ao reconhecimento do Caminho Real ou Estrada Real das Minas, também chamado Caminho Velho, no trecho que, iniciando-se no Rio de Janeiro, descia a Parati e de lá, transpondo a Serra do Mar, alcançava Guaratinguetá de onde subia para São Joâo Del Rei e, mais ao norte, até Mariana, onde o governador estabeleceu residência.

O Conde de Assumar. Inicialmente a região correspondente hoje aos Estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais constituía uma única capitania. Em novembro de 1709 foi dela desmembrada a capitania de São Paulo e Minas do Ouro, que teve como primeiro governador o Coronel Antônio de Albuquerque Coelho de Carvalho. Coube a este instituir, nos povoamentos de mineradores, as primeiras vilas, criadas em 1711, que foram a de Nossa Senhora do Carmo e Albuquerque (Mariana), a de Vila Rica (Ouro Preto) e a de Sabará. Em 1713, o segundo governador, Dom Brás Baltasar da Silveira, criou mais as de São João del Rei, Caeté e Pitangui.

Dom Pedro Miguel de Almeida Portugal, o terceiro governador da nova Capitania, foi escolhido pelo Rei como homem indicado para manter a ordem entre os mineiros e garantir as rendas da Coroa. Nascido a 17 de outubro de l688, contava 28 anos quando se separou da família para vir ao Brasil. Tornou-se, em 1718, durante o seu governo, o 2.o Conde de Assumar, título herdado de seu pai. Foi, mais tarde, cumulativamente, Marquês de Alorna.

O Caminho Real.

Sob o aspecto histórico, o livro UM COMERCIANTE DO SÉCULO XVIII (Editora Athalaia, Brasília, 1999, 240 p.; il.) traz uma contribuição significativa, com a transcrição que nele foi feita do diário da viagem do Conde de Assumar de Lisboa às Minas do Ouro, um documento rico em referências a lugares e a moradores do Rio, de São Paulo e de Minas no início do século XVIII, e que permite reconstituir com segurança, um longo segmento da trilha que levava às minas, em fins do século XVI e início do século XVIII. Pela Estrada Real, Caminho Real ou Caminho Velho das Minas desciam os tropeiros transportando ouro, das Minas para o porto de Parati, ou subiam de volta às montanhas, levando mercadorias como tecidos, escravos, ferramentas de cultivo e de mineração.

Nomeado governador da Capitania de São Paulo e Minas do Ouro, Dom Pedro embarcou em Lisboa a 17 de abril de 1717, acompanhado de um punhado de auxiliares de confiança, seus companheiros na longa viagem que ali se iniciava. Redigiu um Diário que se tornou peça preciosa para o conhecimento do modo como os passageiros se entretinham a bordo das caravelas, na longa travessia oceânica, e de como se viajava por terra pelo Brasil de então, a pé, em liteira ou no lombo dos animais, as bagagens penosamente transportadas por caminhos íngremes, ou muitas vezes transformados em atoleiros pela chuva tropical.

O diário (transcrito nas p.183-221 do livro), constitui-se de duas partes, a marítima e a terrestre, e registra os acontecimentos desde a partida de Lisboa até a chegada de Dom Pedro Miguel e da sua comitiva à Vila do Carmo, no coração das Minas. De passagem por São Paulo, o senado da vila lhe deu posse no governo. Retomando a Estrada Real em Guaratinguetá, passou a Mantiqueira, penetrando em território mineiro. A narrativa detalhada permite reconstituir com exatidão boa parte da Estrada Real ou Caminho Velho das Minas, de Parati até as vilas mineiras da região do ouro.

Além da transcrição do Diário da viagem, também se discute quem, na comitiva do Conde, teria sido o seu verdadeiro autor, uma questão que sempre fascinou os historiadores tanto no Brasil como em Portugal. Acreditamos que a resolvemos, mediante os argumentos que apresentamos sobre sua verdadeira autoria.

O Governo das Minas

As escrituras cartoriais por nós transcritas no livro mostram alguns fatos novos sobre o governador de São Paulo e Minas do Ouro, Dom Pedro Miguel de Almeida Portugal, o Conde de Assumar.

Essa documentação do primeiro cartório de Mariana, onde residia o governador, revela que ele realizou negócios em Minas, e os fez através do seu procurador, Domingos Rodrigues Cobra, o comerciante a que alude o título do livro.

O historiador Boxer em seu livro sobre a sociedade colonial no Brasil, comenta o comércio a que se aplicavam os governadores, usando os privilégios do cargo para amealhar lucros, em razão de seus magros salários. Dom Pedro Miguel de Almeida Portugal, o Conde de Assumar, poderá não ter sido uma exceção.

As rendas auferidas não foram pequenas, pois permitiram ao Conde resgatar suas dívidas em Lisboa, no seu retorno a Portugal, o que levou o Marquês de Pombal a suspeitar de que o Conde de Assumar houvesse enriquecido ilicitamente enquanto governador. A revelação da atividade comercial do Conde (p. 7-30) abre campo novo para pesquisas em torno desse personagem carismático da História de Minas Gerais.

Em que pese a rudeza com que governou a Capitania, o Conde teria sido um admirável administrador. Segundo Boxer, quando, em 1721, passou o cargo a Dom Lourenço de Almeida, primeiro governador da nova capitania das Minas, desmembrada da capitania de São Paulo, este veio encontrar todos os quintos pagos, uma força militar organizada e um sistema administrativo regular, e se viu em condições de instalar as casas de Fundição do Ouro que Dom Pedro não lograra implantar.

Domingos Rodrigues Cobra, procurador do Conde de Assumar, e que recebeu do Conde uma extensa sesmaria próxima a Mariana, foi um bem sucedido comerciante, morador em Almada, Portugal, que viajava a negócios para a Bahia e Minas. Através de um filho que posteriormente veio ao Brasil e aqui se casou, deixou descendência que se espalhou por várias localidades do Sul de Minas. As sesmarias doadas e as fazendas adquiridas mostram os caminhos da ramificação da família de Baependi para Campanha, Cristina, Poços de Caldas e Pouso Alegre em Minas; Bananal, São Paulo e São José do Rio Pardo, em São Paulo. Ai estão as origens das famílias Nogueira Cobra, Barros Cobra, Junqueira Cobra, Cobra Ribeiro, Rodrigues Cobra, Pilar Cobra e outras Essa descendência é mostrada em uma Nota Genealógica que constitui um dos capítulos do livro.

Parte da documentação utilizada, pesquisada no Arquivo de Mariana, no Arquivo Distrital de Setúbal, na Torre do Tombo e na Seção de Reservados da Biblioteca Nacional de Lisboa, está transcrita no capítulo Documentos.

O livro contem fotos das igrejas das três localidades mais antigas, e fotos de alguns membros mais velhos da família, e um mapa para localização das ruínas do século XVI e XVII das casas da família Cobra, que ficavam a poucas dezenas de metros do palacete do Conde de Assumar, em Almada.

M.J.Távora
R.Q. Cobra

 Abaixo, o índice dos capítulos do livro.

 ÍNDICE

(EM VERMELHO os capítulos que se referem diretamente ao Conde de Assumar)

 

AGRADECIMENTOS, 5

NEGÓCIOS DO CONDE DE ASSUMAR

O Conde de Assumar, p. 7

O Diário de Viagem, p. 9 (Vide também abaixo)

O Governo das Minas, p. 13

O Procurador Domingos Rodrigues Cobra, p. 15

Negócios no Rio de Janeiro, p. 23

O Reconhecimento de Dom Pedro a
Domingos Rodrigues Cobra, p. 25

Sesmarias, p. 28

Devassa, p. 30

(vide abaixo o APÊNDICE)

ÉPOCA, ORIGENS, NEGÓCIOS E VIAGENS
DE DOMINGOS RODRIGUES COBRA, p. 31 - 47

VIDA EM ALMADA, p. 48 - 67

NOTA GENEALÓGICA, p. 69 -111

REFERÊNCIAS, p. 120 - 134

DOCUMENTOS

Registos Eclesiásticos Portugueses, p. 142

Registos Eclesiásticos Brasileiros, p. 162

Documentos Cartoriais Portugueses, p. 165

Documentos Cartoriais Brasileiros, p. 169

Diversos - Portugal, p. 179

Diversos - Brasil, p. 181

APÊNDICE - DIÁRIO DE VIAGEM DO CONDE DE ASSUMAR

I PARTE - De Lisboa ao Rio de Janeiro, p. 183

II PARTE - Do Rio de Janeiro às Minas, p. 197

BIBLIOGRAFIA, p. 222

ÍNDICE REMISSIVO, p. 226

NOTA: O livro não está nas livrarias, porém pode ser solicitado através de mensagem
ou fax conforme as instruções no alto desta página.


Todos os links desta página devem estar funcionando. Se há um link nesta página que não está funcionando, por favor,
avise-me. Insira em sua mensagem o TÍTULO da página onde encontrou o link defeituoso.
Fico-lhe antecipadamente agradecido pela cortesia de sua colaboração.
Rubem Queiroz Cobra

 

RETORNO À LISTA.