COBRA PAGES
e seus
objetivos
--
Quem somos

reg.

COBRA PAGES: páginas em Educação e Cultura
Filosofia Moderna -  Filosofia Contemporânea - Filosofia no Brasil - Temas de Filosofia - Psicologia e Educação - Teatro Pedagógico - Higiene - Boas Maneiras e Etiqueta - Contos - Restauro - Genealogia - Geologia - Livros do Autor - CONTACTO

 

PMF-perguntas
mais freqüentes

ÍNDICE & BUSCA

 
 
 

NOVIDADES DO SITE

KANT

Vida, filosofia e obras de Immanuel Kant - VI

Página de Filosofia Moderna
escrita por Rubem Queiroz Cobra
(Site original: www.cobra.pages.nom.br)

anterior << Páginas 1 2 3 4 5 6                     

Estética

.A Estética é reconhecida como uma disciplina dentro da filosofia. O termo foi usado por Baumgartem em "Reflexões sobre a Poesia" (1735) e de então tornou-se parte permanente do vocabulário filosófico.

Além de conhecer, e da liberdade de agir conforme o bem ou o mal, Kant reconhece ainda no homem a faculdade de julgar. Ele indaga se essa faculdade também possui princípios a priori, ou seja, formas universais e necessárias de subordinação do mundo natural à razão ou espírito humano. Constituem a faculdade de julgar dois tipos de juízos: o determinante e o reflexionante.

O sentimento de prazer e desprazer constitui a fonte do juízo reflexionante, que concilia a faculdade de conhecer com a faculdade de desejar, na medida em que subordina um conteúdo representativo (algo conhecido) a um fim desejado. Os juízos reflexionantes são de dois tipos: os estéticos e os teleológicos.

A "Crítica do juízo" (1790) Kant dividiu-a em duas partes: A "Crítica do juízo estético" e a "Crítica do juízo teleológico". Nessa obra, considerada um de seus trabalhos mais originais e instrutivos, ele analisa, na primeira parte, uma teoria do belo, compreendendo a faculdade de julgar a finalidade formal, que chama também finalidade subjetiva, por meio do sentimento de prazer ou desprazer, e na segunda, a aparência de finalidade na natureza, a faculdade de julgar a finalidade real, objetiva, da natureza mediante o intelecto e a razão. Na primeira parte, após uma introdução em que discute "finalidade lógica", ele analisa os juízos que atribuem beleza a alguma coisa.

O juízo estético tem por objeto o sentimento do belo e do sublime. Nos juízos estéticos, o objeto é relacionado com um fim subjetivo, ou seja, com o sentimento de eficácia sentido pelo homem diante desse objeto.

O belo. Do agradável e do útil Kant diz que tem como condição "uma correspondência entre o objeto e um interesse meramente individual e contingente, ou puramente racional. Ao contrário, no sentimento do belo, não ocorre esse tipo de condicionamento. O que importa no sentimento do belo é apenas a forma da representação, na qual se realiza a plena harmonia entre as funções cognoscitiva, sensível e intelectual.

A explicação está no fato de que, quando uma pessoa contempla um objeto e o acha belo, há uma certa harmonia entre sua imaginação e seu entendimento, do qual ela fica consciente devido ao imediato deleite que ela tem no objeto.

Segundo Kant, a harmonia entre as funções cognoscitiva, sensível e intelectual é inteiramente independente do conteúdo empírico da representação e dos condicionamentos individuais, e portanto o sentimento do belo resultante é apriorístico e, como tal, fundamenta a validez universal e necessária dos juízos estéticos.

Tais juízos, de acordo com ele, diferentemente de mera expressão de gosto, pretendem uma validade geral, mas não podem nem por isso ser considerados cognitivos porque fundam-se na sensibilidade, não sobre argumentos. A imaginação se apodera do objeto e no entanto não está restrita a nenhum conceito definido; ao mesmo tempo a pessoa pode imputar o deleite que sente também aos outros porque ele salta do jogo livre de suas faculdades cognitivas, que são as mesma em todos os homens. Por isso Kant estava particularmente preocupado com a exigência que as pessoas fazem pela universalidade do juízo do belo para explicar e sustentar o alto prestígio da artes. É uma exigência comparável à que é feita pela moralidade que, sem essa exigência de universalidade, parece que estaria ameaçada de desintegração.

O sublime.Como sublime Kant entende "um estado subjetivo determinado por um objeto cuja infinidade se alcança com o pensamento, mas não se pode captar pela intuição sensível. "O sublime, tanto quanto o belo, é fonte de sentimento de prazer e é universal".

Juízos teleológicos. Nos juízos teleológicos, o objeto é considerado segundo as exigências da razão, como correspondendo a uma finalidade objetiva (se serve para isto ou aquilo); adaptando-se aquelas exigências, suscita um sentimento de prazer. Na segunda parte da sua "Crítica do Juízo", Kant voltou a considerar a finalidade na natureza como ela é colocada pela existência nos corpos orgânicos de coisas das quais as partes são reciprocamente meios e fins umas para as outras. Ao tratar com esses corpos, alguém não pode contentar-se meramente com princípios mecânicos.

No entanto, se o mecanismo é abandonado e a noção de finalidade ou fim da natureza é tomado literalmente, isto parece implicar que as coisas às quais se aplica precisam ser o trabalho de um arquiteto sobrenatural, mas isto significariam uma passagem do sensível para o supra-sensível, um passo que na sua primeira "Crítica" ele considerou ser impossível.

Kant responde a essa objeção admitindo que a linguagem teleológica não pode ser evitada na descrição dos fenômenos naturais mas ela precisa ser entendida como significando apenas que os organismos precisam ser considerados "como se" eles tivessem sido o produto de um projeto, de um designe, o que de modo algum é a mesma coisa que dizer que eles foram assim deliberadamente produzidos.

Obras

É comum distinguirem-se dois períodos da atividade literária de Kant. O primeiro, o período pré-crítico, se estende de 1747 a 1781, a data do marco Kritik der reinen Vernunft; o segundo, o período crítico, se estende de 1781 a 1784.

O Período Pré-crítico. O primeiro livro de Kant, publicado em 1747, intitulava-se Gedanken von der wahren Schatzung der lebendigen Kräfte (Pensamentos sobre a verdadeira avaliação das forças vivas). Em 1775 ele publicou sua dissertação de doutorado, De Igne (Sobre o fogo), e o trabalho Principiorum Primorum Cognitionis Metaphysicae Nova Dilucidatio (Nova explanação sobre os primeiros princípios do conhecimento metafísico), com o qual ele qualificou-se para a posição de "Privatdozent". Além desses, nos quais ele expôs e defendeu a filosofia corrente de Wolff, discípulo de Leibniz, ele publicou outros tratados nos quais ele aplicou aquela filosofia a problemas de matemática e física. Em 1770 apareceu o trabalho De Mundi Sensibilis adque Intelligibilis Formis et Principiis (sobre as formas e princípios do Mundo sensível e inteligível) no qual ele mostra pela primeira vez uma tendência a adotar um sistema independente de filosofia. Os anos de 1770 a 1780 foram gastos, como o próprio Kant nos diz, na preparação do "Crítica da Razão Pura".

Período Crítico. Neste período entre a nomeação e sua aposentadoria pouco antes de sua morte, - geralmente chamado seu período das críticas, porque foi quando escreveu suas duas grandes críticas, - ele publicou uma surpreendente série de trabalhos originais sobre uma grande variedade de tópicos, nos quais ele elaborou e ampliou sua filosofia.

Apesar de ter escrito sobre inúmeros tópicos, filosóficos ou não, a fama de Kant repousa grandemente com seu tratamento da metafísica em seu monumental Kritik der reinen Vernunft (Crítica da Razão Pura), sobre o conhecimento, o qual aparece em 1781, quando contava 57 anos. Uma segunda edição foi publicada em 1787. A "Crítica da Razão Pura" foi o resultado de 10 anos de pensamento e meditação. Ainda assim, no entanto, Kant publicou a 1a. edição bastante relutantemente, após muitos adiamentos, porque ainda que convencido da verdade da sua doutrina, ele estava inseguro sobre a forma da exposição.

Em 1785 apareceu o Grundlegung zur Metaphysik der Sitten (Fundamentos para a Metafísica da Ética). Então veio uma sucessão de trabalhos críticos, o mais importante dos quais são Kritik der praktischen Vernunft (Crítica da Razão Prática), sobre a moral; Kritik der Urtheilskraft (Crítica do Juízo), sobre a estética, 1790, e Religion innerhalb der Grenzen der blossen Vernunft (A religião dentro dos limites da simples razão), 1793.

Outras obras: Além de seus trabalho em filosofia, Kant escreveu alguns tratados em vários assuntos científicos, muitos no campo da geografia física. Seu trabalho científico mais importante foi uma "História Natural Geral e Teoria dos Céus" (1755), no qual ele postula a hipótese da formação do universo a partir do giro de uma nébula, uma hipótese que depois foi desenvolvida independentemente por Pierre de la Place.

Estilo literário. Seu estilo copiava muito o dos manuais que ele era obrigado a seguir em suas aulas, por força dos regulamentos universitários, e esses textos, no caso os de Wolff e Baumgartem, eram massantes, cheios de jargão técnico, divisões artificiais e esquemáticas com grandes pretensões de serem completos. Seguindo tais modelos, o estilo de Kant tornou-se também artificial, rígido e de difícil leitura. Veio depois a lamentar que seus interpretes e críticos de seus trabalhos o estivessem interpretando mal.

Influências

Immanuel Kant foi o mais eminente pensador do Iluminismo e um dos grandes filósofos de todos os tempos. Em sua filosofia se somaram os novos rumos que haviam começado com o Racionalismo de René Descartes, que vai até Leibniz, e o Empirismo, de Francis Bacon, que vai até Hume. Ele iniciou uma nova era no desenvolvimento do pensamento filosófico. Seu trabalho abrangente e sistemático em teoria do conhecimento, ética e estética influenciou toda a filosofia subseqüente, especialmente as várias escolas alemãs do Kantismo e Idealismo.

Kant e o Marxismo: Kant teve uma influencia maior que a de qualquer outro filósofo dos tempos modernos. A filosofia de Kant, particularmente como desenvolvida pelo filósofo alemão G.W.F. Hegel, foi a base na qual a estrutura do Marxismo foi construída: o método dialético, usado por ambos Hegel e Karl Marx, foi uma expansão do método de raciocínio por "antinomias" que Kant usou.

Outras influências: O filósofo alemão Johann Gottlieb Fichte (1762-1814), aluno de Kant, rejeitou a divisão do mundo em partes objetiva e subjetiva do seu mestre e desenvolveu uma filosofia idealista que também teve grande influência nos socialistas do século XIX. Um dos sucessores de Kant na Universidade de Königsberg, J. F. Herbart, incorporou algumas das idéias de Kant no seu sistema de pedagogia.

Com sua teoria do conhecimento, Kant encerra um período que tinha começado com Descartes e abre um novo período para a filosofia, que é o período do desenvolvimento do Idealismo Transcendental, nome com que ficou conhecida sua filosofia.

anterior << Páginas 1 2 3 4 5 6

Rubem Queiroz Cobra            
 

R.Q.Cobra
Doutor em Geologia
e bacharel em Filosofia.
Lançada em
 02/06/1997

Direitos reservados. Para citar este texto: Cobra, Rubem Q. - Immanuel Kant. Site www.cobra.pages.nom.br, Internet, Brasília, 1997.
("Geocities.com/cobra_pages" é "Mirror Site" de COBRA.PAGES)

 Utilize a barra de rolagem desta janela de texto para ver as NOVIDADES DO SITE
 
Obrigado por visitar COBRA PAGES

Todos os links desta página devem estar funcionando. Se há um link nesta página que não está funcionando, por favor, avise-me. Insira em sua mensagem o TÍTULO da página onde encontrou o link defeituoso. Fico-lhe antecipadamente agradecido pela cortesia de sua colaboração.
Rubem Queiroz Cobra