COBRA PAGES
e seus
objetivos
--
Quem somos

reg.

COBRA PAGES: páginas em Educação e Cultura
Filosofia Moderna -  Filosofia Contemporânea - Filosofia no Brasil - Temas de Filosofia - Psicologia e Educação - Teatro Pedagógico - Higiene - Boas Maneiras e Etiqueta - Contos - Restauro - Genealogia - Geologia - Livros do Autor - CONTACTO

 

PMF-perguntas
mais freqüentes

ÍNDICE

 


Vultos e episódios da Época Moderna

Para retornar
à página de
COBRA PAGES
em que estava,
use a seta de
volta do seu
navegador

Henry More, nasceu em 1614, em Grantham, Lincolnshire, faleceu a 1 de setembro, 1687, em Cambridge, Cambridgeshire) poeta e filósofo da religião cuja afinidade pela metafísica de Platão o coloca entre os grupo de pensadores conhecidos como Platonistas de Cambridge.

Educado como calvinista, More tornou-se um anglicano na juventude. No Christ's Colege, em Cambridge, ele encontrou platonistas como Edward Fowler e John Worthington e ficou sob influencia de Joseph Mead (ou Mede), o místico que escreveu Clavis Apocalyptica (1627; A chave para o Apocalipse"). Em 1639 ele foi eleito para uma bolsa em Cambridge. Entre seus alunos estava Lady Anne Conway, cujo entusiasmo religioso influenciou More e sob cuja solicitação ele depois escreveu "Conjectura Cabalística" (1653).

Em contacto estreito com os principais filósofos e cientista de seu tempo More gradualmente abandonou sua admiração pelo pensamento do racionalista francês René Descartes, o qual separou espírito e matéria, e veio a ver o naturalismo mecanicista e ateísmo como um resultado inevitável da filosofia cartesiana. Em sua correspondência de 1648-49, publicada como The Immortality of the Soule ("A Imortalidade da Alma "-1659) e no seu mais importante trabalho metafísico, Enchiridion Metaphysicum (1671), More argumentou contra o ceticismo de Descartes e manteve seus próprias pontos de vista espiritualistas. Em um modo similar, ele buscou refutar a pretensão do filósofo inglês Thomas Hobbes de que o teísmo é impossível porque a mente humana não pode conhecer uma substância imaterial.

A primeira poesia de More, escrita em um estilo afim ao do lírico inglês Edmund Spenser, tratava de matéria metafísica e incluía quadros satíricos da religião puritana, contra a qual ele havia se rebelado. Seus pontos de vista religiosos, mais claramente expostos em An Explanation of the Grand Mystery of Godliness (1660) e Divine Dialogues (1668), centrados na sua idéia que "Não há choque verdadeiro absolutamente entre um ponto genuíno do Cristianismo e o que a verdadeira filosofia ou razão correta determina ou aceita". Seus escritos éticos incluem Enchiridion Ethicum (1667); seu trabalho An Antidote against Atheism (1652) está curiosamente devotada, em grande parte, a estórias de bruxas e fantasmas. Sua poesia está publicada no Complete Poems of Henry More (1878) de Älkexander Balloch Grosart. Trechos de seus escritos filosóficos aparecem em Philosophical Writings of Henry More (1925) de Flora Isabel MacKinnon.

R.Q.Cobra
Doutor em Geologia
e bacharel em Filosofia.
1997

Para citar este texto: Cobra, Rubem Queiroz - FILOSOFIA MODERNA: Resumos Biográficos. Site www.cobra.pages.nom.br, INTERNET, Brasília, 1997 ("www.geocities.com/cobra_pages" é "Mirror Site" de www.cobra.pages.nom.br).