COBRA PAGES
e seus
objetivos
--
Quem somos

reg.

COBRA PAGES: páginas em Educação e Cultura
Filosofia Moderna -  Filosofia Contemporânea - Filosofia no Brasil - Temas de Filosofia - Psicologia e Educação - Teatro Pedagógico - Higiene - Boas Maneiras e Etiqueta - Contos - Restauro - Genealogia - Geologia - Livros do Autor - CONTACTO

 

PMF-perguntas
mais freqüentes

ÍNDICE

 

Resumos biográficos

Para retornar
à página de
COBRA PAGES
em que estava,
use a seta de
volta do seu
navegador

MERSENNE, Marin, nasceu em 8 de setembro de 1588 em Oize em Maine, França, e morreu em 1 de setembro de 1648, em Paris. É mais conhecido por seu papel de "despachante" de correspondência entre os mais eminentes filósofos e cientistas de sua época e pelo seu trabalho na teoria do número. Mersenne freqüentou a escola no Colégio de Mans, e depois, a partir de 1604, passou cinco anos no colégio dos Jesuítas em la Fleche, onde foi colega e amigo de Descartes. De 1609 a 1611 estudou teologia na Sorbonne.

Mersenne entrou para a ordem religiosa dos Mínimos em 1611. O nome da ordem vem de se considerarem os mínimos eles mesmos como a última (mínima) de todas as ordens religiosas; devotam-se a orações, estudo e professorado. Mersenne continuou sua instrução dentro da ordem em Nigeon e depois em Meaux. Retornou a Paris onde, em 1612, se tornou padre no Place Royale. Ensinou filosofia no convento dos Mínimos em Nevers de 1614 a 1618. Em 1619 retornou outra vez aos Mínimos de l'Annociade próximo do Place Royale. Das reuniões em sua residência participaram Fermat, Pascal, Gassendi, Roberval, Beaugrand e outros que constituíram mais tarde o núcleo da Academia Francesa. Correspondeu com outros matemáticos eminentes e teve um papel fundamental na difusão do conhecimento matemático para toda a Europa em uma época em que não havia nenhum jornal científico.

Mersenne investigou principalmente os números primos, e tentou encontrar uma fórmula que representasse todos os primos. Defendeu Descartes e Galileu contra o criticismo teológico e esforçou-se para desacreditar a pseudociência da alquimia e da astrologia. Continuou alguns dos trabalhos de Galileu em acústica e estimulou algumas das descobertas posteriores do próprio Galileu. Propôs a Huygens o uso do pêndulo como um dispositivo de sincronismo, assim inspirando a invenção do relógio de pêndulo.

Foi através de Mersenne que o trabalho de Galileu tornou-se conhecido fora da Itália. Em 1633 ele publicou o Traité des Mouvements, e em 1634 publicou Le Méchanique de Galilée que era uma versão de aulas de Galileu sobre mecânica. Traduziu partes do "Dialogo" de Galileu ao francês em 1639. Duas publicações suas importantes na física matemática foram L'Harmonie Universelle (1636) e Cogitata Physico-Mathematica (1644). Mersenne escreveu também o Traité d'harmonie universelle (1627), um trabalho sobre música, instrumentos musicais e acústica. Depois de sua morte em sua cela foram encontradas missivas de 78 correspondentes diferentes incluindo Fermat, Huygens, Pell, Galileu e Torricelli.

R.Q.Cobra
Doutor em Geologia
e bacharel em Filosofia
1997

Para citar este texto: Cobra, Rubem Queiroz - FILOSOFIA MODERNA: Resumos Biográficos. Site www.cobra.pages.nom.br, INTERNET, Brasília, 1997 ("www.geocities.com/cobra_pages" é "Mirror Site" de www.cobra.pages.nom.br).