COBRA PAGES
e seus
objetivos
--
Quem somos

reg.

COBRA PAGES: páginas em Educação e Cultura
Filosofia Moderna -  Filosofia Contemporânea - Temas de Filosofia - Psicologia e Educação
Boas Maneiras e Etiqueta -
Contos - Restauro - Genealogia - Geologia - Livros - CONTACTO

 

PMF-perguntas
mais freqüentes

ÍNDICE & BUSCA

 

Resumos biográficos

Para retornar
à página de
COBRA PAGES
em que estava,
use a seta de
volta do seu
navegador

HUTCHESON, Francis, filósofo escocês de origem irlandesa, nascido em Drumalig, Condado de Down, na Irlanda, em 1694, falecido em Glasgow, na Escócia, em 1746, expoente maior da teoria do sentimento moral segundo a qual o homem pode ter intuição da ação correta através de uma faculdade moral inata.

Filho de um ministro presbiteriano, Hutcheson estudou filosofia, clássicos e teologia na universidade de Glasgow (1710-16). Licenciado como pregador em 1719 pelo Conselho presbiteriano em Ulster, nesse mesmo ano fundou uma academia particular em Dublim. Em 1729 voltou a Glasgow como professor de filosofia moral, e ali lecionou até sua morte.

Em 1738 o Conselho presbiteriano em Glasgow contestou a crença de Hutcheson de que o indivíduo pode ter um conhecimento do bem e do mal sem, - ou antes que venha a ter - , conhecimento de Deus. Sua posição de pregador popular nada sofreu com essa censura. Muito respeitado, a ele David Hume solicitou opinião sobre a seção "Da Moral Humana" do "Tratado da Natureza Humana" que o fez famoso.

No ponto de vista de Hutcheson, além dos cinco sentidos externos, diretos, o homem tem uma variedade de sentidos de origem interna, reflexivos, inclusive um sentido de beleza, de moralidade, de honra, e do ridículo, e destes ele considerou o sentido moral o mais importante. Está implantado no homem e se manifesta instintiva e imediatamente sobre o caráter de ações e afeições, aprovando aquelas que são virtuosas e desaprovando aquelas que são viciosas. Sua teoria ética foi proposta no seu An Inquiry into the Original of our Ideas of Beauty and Virtue ("Uma investigação quanto à gênese de nossas idéias de beleza e virtude"), de 1725, no seu An Essay on the Nature and Conduct of the Passions and Affections, with Illustrations on the Moral Sense ("Um ensaio sobre a natureza e a conduta das paixões e afeições, com exemplos relativos ao sentimento moral") de1728, e no System of Moral Philosophy ("Sistema de filosofia moral"), 2 vol. Publicado postumamente por seu filho de mesmo nome em 1755.

Francis Hutcheson foi talvez o primeiro a colocar o problema do julgamento estético entre as questões centrais da epistemologia: Como podemos saber que alguma coisa é bela? O que guia nosso julgamento e o que o faz válido? Sua resposta foi decididamente empirista: os julgamentos estéticos são perceptuais e tiram sua afirmação de um sentido que é comum a todos que os pronunciam. No seu Inquiry, de 1725, Hutcheson explica: "A origem de nossas percepções do belo e da harmonia pode com propriedade ser chamada um "sentido", porque não envolve qualquer elemento intelectual, nem reflexão sobre princípios e causas".

Hutcheson exerceu forte influência sobre Adam Smith com respeito a seu critério moral, que estava em examinar um ato quanto a se ele tende ou não a promover o bem estar da humanidade. Com esse critério Hutcheson havia se antecipado ao Utilitarismo do pensador inglês Jeremy Bentham, inclusive no uso da frase "a maior felicidade para o maior número". Hutheson foi influente também como lógico e teorista do conhecimento humano.

A "teoria de benevolência" da ética, de acordo com a qual o sentimento moral tende a aprovar ações que beneficiam outros mais que a si próprio, representava uma posição contrária à do filósofo inglês do século XVII Tomas Hobbes. Hutcheson manteve que, enquanto o amor próprio é moralmente indiferente, a satisfação dos ditames do amor próprio é uma das condições para a preservação social. Escreveu ainda outros trabalhos como o Reflections Upon Laughter ("Pensamento sobre o riso"), de 1725, criticando Hobbes no mesmo assunto, Remarks upon the Fable of the Bees ("Comentários sobre a fábula das abelhas"), de 1726, o De naturali homini socialitate ("Da sociabilidade natural do homem"), de 1730, o Philosophia moralis institutio compendiaria, ethices et jurisprudentiae naturalis ("Instituições de filosofia moral"), a tradução de Marco Aurélio The Meditations of Marcus Aurelius Antonius e o Metaphysicae synopsis: ontologiam et pneumatologiam complectens ("Sinopse metafísica"), de 1742.

R.Q.Cobra
Doutor em Geologia
e bacharel em Filosofia

1997

Para citar este texto: Cobra, Rubem Queiroz - FILOSOFIA MODERNA: Resumos Biográficos. Site www.cobra.pages.nom.br, INTERNET, Brasília, 1997 ("www.geocities.com/cobra_pages" é "Mirror Site" de www.cobra.pages.nom.br).