COBRA PAGES
e seus
objetivos
--
Quem somos

reg.

COBRA PAGES: páginas em Educação e Cultura
Filosofia Moderna -  Filosofia Contemporânea - Temas de Filosofia - Psicologia e Educação
Boas Maneiras e Etiqueta -
Contos - Restauro - Genealogia - Geologia - Livros - CONTACTO

 

PMF-perguntas
mais freqüentes

ÍNDICE & BUSCA

 


Vultos e episódios da Época Moderna

Para retornar
à página de
COBRA PAGES
em que estava,
use a seta de
volta do seu
navegador

Clavius, Christopher, (Al.1538-It.1612), foi o astrônomo jesuíta que ajudou o papa Gregory XIII a introduzir o que é chamado agora o calendário gregoriano. Clavius entrou para a ordem Jesuíta em 1555 e recebeu sua instrução dentro da Ordem. Freqüentou a universidade de Coimbra em Portugal. Depois foi para a Itália e estudou teologia no Colégio Romano mantido pelos jesuítas em Roma.

Após seus estudos, permaneceu no Colégio Romano como professor de matemática. À exceção de um período em Nápoles em torno de 1596 e uma visita à Espanha em 1597, haveria de continuar professor no Colégio Romano para o resto de sua vida.

A regra do ano bissexto do Calendário juliano em uso, criava 3 bissextos em cada período de 385 anos, um avanço demasiado em relação ao tempo natural. Em conseqüência, a ocorrência real dos equinócios e dos solstícios moveu-se lentamente afastando-se de suas datas de calendário. A data do equinócio da primavera determina a data da Páscoa e por isso a igreja começou a pressionar para a reforma. O papa Gregório XIII incumbiu Clávius de propor um novo calendário, que depois ficou conhecido como "Calendário Gregoriano".

Clavius propôs que a quarta-feira, 4 de outubro de 1582, no calendário juliano, fosse seguida por quinta-feira, 15 de outubro de 1582 no novo calendário gregoriano. Propôs que os anos bissextos ocorressem nos anos exatamente divisíveis por quatro, salvo os anos terminando em 00 que teriam que ser divisíveis por 400 para que fossem bissextos. Esta regra é usada ainda hoje e é tão exata que nenhuma reforma adicional do calendário será necessária por muitos séculos.

Viète não gostou do calendário de Clavius e os povos de Frankfurt se amotinaram contra o papa e os matemáticos que, eles acreditavam, conspiravam juntos para roubar-lhes 11 dias. Clavius escreveu Novi calendarii romani apologia (Apologia do novo calendário romano") (1595) justificando as reformas do novo calendário, defendendo-as contra esses ataques.

Embora Clavius produzisse pouca matemática dele mesmo, ele fez mais do que qualquer outro intelectual alemão do século 16 para promover o conhecimento da matemática. Clavius era talentoso professor e escritor de livros didáticos. Produziu uma versão de elementos de Euclides em 1574 o qual contem idéias próprias. Um outro livro bem escrito foi a Álgebra (1608). Seus livros de aritmética foram usados por muitos matemáticos incluindo Leibniz e Descartes. Clavius produziu vários instrumentos. Ele trabalhou em um instrumento para medir frações dos ângulos. Também projetou relógios solares e desenvolveu um quadrante para o uso em agrimensura.

R.Q.Cobra
Doutor em Geologia
e bacharel em Filosofia

1997

Para citar este texto: Cobra, Rubem Queiroz - NOTAS: Vultos e episódios da Época Moderna. Site www.cobra.pages.nom.br, INTERNET, Brasília, 1997 ("www.geocities.com/cobra_pages" é "Mirror Site" de www.cobra.pages.nom.br)