COBRA PAGES
e seus
objetivos
--
Quem somos

reg.

COBRA PAGES: páginas em Educação e Cultura
Filosofia Moderna -  Filosofia Contemporânea - Temas de Filosofia - Psicologia e Educação
Boas Maneiras e Etiqueta -
Contos - Restauro - Genealogia - Geologia - Livros - CONTACTO

 

PMF-perguntas
mais freqüentes

ÍNDICE & BUSCA

 

Vultos e episódios da Época Contemporânea

Para retornar
à página de
COBRA PAGES
em que estava,
use a seta de
volta do seu
navegador

Nobel. Prêmio instituído pelo químico industrial, inventor da dinamite, o milionário sueco Alfred Bernhard Nobel (1833-1896)
Alfred Nobel era filho do inventor Immanuel Nobel e de sua esposa Caroline Andrietta Ahlsell. Aprendeu com o pai os fundamentos da engenharia. Em 1837, indo mal os negócios da família em Estocolmo, o pai Immanuel foi para São. Petersburgo, Russia, onde veio a prosperar com a fabricação de minas explosivas e máquinas industriais, e para onde levou a família em 1842. O jovem Alfred tornou-se um químico competente já na idade de 16 anos. Estudou química em Paris em 1850 e trabalhou nos Estados Unidos por quatro anos. A família retornou a Estocolmo em 1859.

Interessado em desenvolver explosivos, Alfred Nobel realizou experiências com nitroglicerina líquida, um potente explosivo, grandemente superior à pólvora usada até então. Ele inventou uma espoleta rudimentar, consistindo de uma haste de madeira contendo uma pequena carga de pólvora, e metida em um recipiente grande de metal cheio de nitroglicerina. O pavio fazia explodir a pólvora que, por sua vez, fazia explodir a nitroglicerina. Começou a fazer fortuna com o seu invento e a pesquisar novos tipos de detonares. Em 1865 Nobel inventou a espoleta, uma tampa de metal contendo uma carga de um composto de mercúrio que explodia mediante um choque.

A nitroglicerina era, no entanto, um líquido altamente volátil, que explodia ao menor choque, tornando dificílimo o seu manuseio. Era uma substância tão perigosa que a própria fábrica de Nobel explodiu, matando seu irmão Emil e várias outras pessoas. A solução para o uso da nitroglicerina somente foi encontrada por Nobel quando ele descobriu que ela podia ser misturada. Ele, por acaso, descobriu que a nitroglicerina podia ser manuseada com segurança, sem perder seu poder explosivo, quando misturada com uma terra arenosa e porosa. Ele chamou o produto "dinamite", da palavra grega dynamis, que significa poder, e patenteou seu invento na Inglaterra em 1867, e nos Estados Unidos, em 1868. A dinamite fez Nobel conhecido em todo o mundo, e foi logo usada na abertura de túneis, canais, nas minerações e na construção de estradas e ferrovias.

Em 1875 Nobel inventou a gelatina explosiva, ao descobrir uma mistura mais eficaz que a da dinamite, utilizando nitrocelulose. Investiu parte de sua fortuna no negócio de petróleo de seus dois irmãos, Ludvig e Robert, que exploravam jazidas ao longo do mar Cáspio. Assim, tanto suas inúmeras fábricas de explosivos quanto sua participação na indústria petrolífera fizeram dele um homem extraordinariamente rico. Prosseguiu em seus experimentos químicos e chegou a várias outras invenções, como a seda e o couro artificiais.

Nobel nunca se casou levando uma vida simples, inteiramente dedicada ao trabalho e a poucas distrações, como a de ler e escrever algumas peças de teatro, romances e poemas não publicados. Morreu em 1896 de hemorragia cerebral em sua mansão em San Remo, Itália. Era então do dono de 90 fábricas de explosivos e munições. A abertura de seu testamento, que havia redigido um ano antes em Paris e depositado em um banco em Estocolmo, surpreendeu seus parentes e o mundo.

Ele deixou o grosso de sua fortuna para a constituição de prêmios a quantos fizessem algo de grandioso para o bem da humanidade, nos caminhos da ciência que ele próprio havia trilhado, como o prêmio para a física, a química e a literatura, e outros, como o prêmio Nobel da Paz, que se cogita tenha sido inspirado por seu amigo, o proeminente pacifista austríaco Bertha von Suttner.

R.Q.Cobra
Doutor em Geologia
e bacharel em Filosofia.

09-01-2001

Para citar este texto: Cobra, Rubem Queiroz - NOTAS: Vultos e episódios da Época Contemporâmea. Site www.cobra.pages.nom.br, INTERNET, Brasília, 1997 ("www.geocities.com/cobra_pages" é "Mirror Site" de www.cobra.pages.nom.br)