COBRA PAGES
e seus
objetivos
--
Quem somos

reg.

COBRA PAGES: páginas em Educação e Cultura
Filosofia Moderna -  Filosofia Contemporânea - Temas de Filosofia - Psicologia e Educação
Boas Maneiras e Etiqueta -
Contos - Restauro - Genealogia - Geologia - Livros - CONTACTO

 

PMF-perguntas
mais freqüentes

ÍNDICE & BUSCA

 

 

Vultos e episódios da Época Contemporânea

Para retornar
à página de
COBRA PAGES
em que estava,
use a seta de
volta do seu
navegador

Mauriac, François (1885 - 1970) novelista, ensaísta, poeta, dramaturgo, jornalista e prêmio Nobel de literatura em 1952. Ele pertenceu à corrente de escritores católicos franceses e suas novelas, austeras e algo sombrias, são dramas psicológicos na análise da realidade da vida moderna. Seus personagens lutam com dilemas do pecado, graça e salvação.

Mauriac pertenceu a uma família de classe média católica. Estudou na Universidade de Bordeaux e entrou na École Nationale des Chartes em Paris em 1906, que logo deixou para dedicar-se a escrever. Seu primeiro trabalho publicado foi um volume de versos, Les Mains jointes (1909; "Mãos postas"). Seus primeiros romances foram L'Enfant chargé de chaînes ("Um jovem carregado de ferros") de 1913, e La Robe prétexte (""),de 1914.

Le Noeud de vipères ("O ninho das vespas"), de 1932, é geralmente considerado a obra prima de Mauriac. É um drama matrimonial narrando o rancor de um velho advogado contra sua família, sua paixão por dinheiro, e sua conversão final. Neste, como em outros romances de Mauriac, o amor que seus personagens procuram em vão nas relações humanas é preenchido somente no amor de Deus.

Em 1933 Mauriac foi eleito para a Academia Francesa. Em 1938 Mauriac passou a escrever peças teatrais, começando com o sucesso Asmodée, levada ao palco em 1937, na qual o herói é um mau caráter que controla indivíduos mais fracos, um tema repetido em Les Mal Aimés,("Os mal amados"), de 1945.

Mauriac foi também um escritor polêmico. Protestou vigorosamente em 1930, condenando o totalitarismo em todas as suas formas, e denunciando o fascismo na Itália e na Espanha. Durante a Segunda Guerra Mundial trabalhou com os escritores da Resistance. Após a guerra discutiu temas políticos com vigor, apoiando o General De Gaulle em 1962. Escreveu De Gaulle, em 1964. Na França é considerado o maior novelista francês depois de Marcel Proust.

R.Q.Cobra
Doutor em Geologia
e bacharel em Filosofia.
1999

Para citar este texto: Cobra, Rubem Queiroz - NOTAS: Vultos e episódios da Época Contemporâmea. Site www.cobra.pages.nom.br, INTERNET, Brasília, 1997 ("www.geocities.com/cobra_pages" é "Mirror Site" de www.cobra.pages.nom.br)