COBRA PAGES
e seus
objetivos
--
Quem somos

reg.

COBRA PAGES: páginas em Educação e Cultura
Filosofia Moderna -  Filosofia Contemporânea - Temas de Filosofia - Psicologia e Educação
Boas Maneiras e Etiqueta -
Contos - Restauro - Genealogia - Geologia - Livros - CONTACTO

 

PMF-perguntas
mais freqüentes

ÍNDICE & BUSCA

 
 
 

NOVIDADES DO SITE

Clotilde De Vaux, a deusa do Positivismo

Por Rubem Queiroz Cobra

Clotilde De Vaux nasceu em Paris em 1815, filha do capitão Joseph-Simon Marie, camponês do Loiret que fora soldado na Revolução e no Império, e de Henriette-Joséphine de Ficquelmont, pertencente a uma família nobre da Lorraine e cujo irmão emigrado Louis-Gabriel-Charles de Ficquelmont, sucederia Metternich como primeiro ministro do Imperador da Áustria.

A família era pobre. Seu pai, depois de deixar o exército, conseguiu do governo da Restauração um cargo na Coletoria de Méru (Oise), do qual se aposentou cedo, obtendo que o mesmo emprego fosse dado ao jovem Amédée de Vaux, - de uma boa família da região, porém cheio de vícios - para seu casamento com Clotilde, realizado em 1835. Quatro anos mais tarde, Amédée de Vaux deu um desfalque no caixa e fugiu para Bruxelas depois de queimar os livros de registro de contas da Coletoria.

Clotilde se achou, aos vinte e cinco anos, abandonada e sem recursos, com as dívidas de jogo do marido em Paris para pagar, além de ficar, pela lei, sem a possibilidade de se casar com outro. Tornou-se militante pela mudança da lei e introdução do divórcio, publicando uma novela no jornal National, em 1845, cujo personagem, Lucie, vivia uma situação igual à sua. A alteração da lei não ocorreu e foi nessa situação que veio a conhecer o filósofo Auguste Comte.

Clotilde tinha um irmão que fora aluno da Escola Politécnica onde teve por professor assistente Auguste Comte. O jovem ficou muito ligado ao velho mestre e um dia o convidou a ir à casa de seus pais, onde também estava Clotilde. Auguste Comte ficou imediatamente seduzido pela jovem, mas esta se recusa a ter um romance com ele, em virtude do impedimento de se casar. Clotilde recebe cartas apaixonadas de Comte, fica lisonjeada com a atenção do filósofo, mas não cai de amores por ele. Ficou cada vez mais impressionada com a crescente adoração que lhe tinha Comte, porém não o suficiente para concordar em casar-se com ele. O relacionamento permaneceu um enlace intelectual, espiritual.

Comte busca então seriamente associar o sexo feminino, na pessoa de Clotilde, à obra de renovação social e moral que impôs a si mesmo completar. E Clotilde aceita colaborar, o que ela busca fazer através de um romance filosófico, Wilhelmine, que se poe entusiasticamente a escrever. Mas sofre por não poder se casar e ter os filhos que desejava, ao mesmo tempo que sua situação financeira a obriga a, com freqüência, apelar para a bolsa do filósofo. Adoece; sua doença foi atribuida a sua melancolia, e vem a falecer em 1846. Cinco anos mais tarde, em 1851, Comte publicou o seu Système de politique positive o qual dedica a Clotilde, dizendo esperar que a humanidade, reconhecida, lembrará sempre seu nome junto ao dela.

R.Q.Cobra
Doutor em Geologia
e bacharel em Filosofia.
Lançada em 24/04/1999

Para citar este texto: Cobra, Rubem Queiroz - Clotilde De Vaux. Site www.cobra.pages.nom.br, INTERNET, Brasília, 1999
"www.geocities.com/cobra_pages" é "Mirror Site" de www.cobra.pages.nom.br).

Utilize a barra de rolagem desta janela de texto para ver as NOVIDADES DO SITE
Obrigado por visitar COBRA PAGES

Todos os links desta página devem estar funcionando. Se há um link nesta página que não está funcionando, por favor, avise-me. Insira em sua mensagem o TÍTULO da página onde encontrou o link defeituoso. Fico-lhe antecipadamente agradecido pela cortesia de sua colaboração.
Rubem Queiroz Cobra