COBRA PAGES
e seus
objetivos
--
Quem somos

reg.

COBRA PAGES: páginas em Educação e Cultura
Filosofia Moderna -  Filosofia Contemporânea - Temas de Filosofia - Psicologia e Educação
Boas Maneiras e Etiqueta -
Contos - Restauro - Genealogia - Geologia - Livros - CONTACTO

 

PMF-perguntas
mais freqüentes

ÍNDICE & BUSCA

 

Vultos e episódios da Época Contemporânea

Para retornar
à página de
COBRA PAGES
em que estava,
use a seta de
volta do seu
navegador

Auschwitz, em polonês Oswiecim, foi o maior campo de concentração de prisioneiros montado pelos nazistas. Localizado ao sul da Polônia a poucos quilômetros da fronteira com a Eslováquia, era constituído de três unidades: o campo de prisioneiros, o campo de extermínio e o campo de trabalhos forçados. Acredita-se que o local foi escolhido por Hitler para localização do campo devido ao complexo entroncamento ferroviário que ligava Auschwits aos quatro cantos da Europa, facilitando que de todos os países conquistados no continente afluíssem os prisioneiros para seus pavilhões. A primeira dessas três unidades, o campo de prisioneiros, foi construída por Heinrich Himmler, chefe da SS, a tropa paramilitar nazista, em 27 de abril de 1940. Logo houve necessidade de ampliá-la, acrescentando-se as outras duas. O complexo passou a contar com cerca de 300 edifícios para abrigo dos prisioneiros, e quatro grandes Badeanstalten (salões para banho) onde a injeção de gás através de falsos chuveiros matava os prisioneiros nus; um Leichenkeller (celeiro para os cadáveres) , e um Äscherungsöfen (forno crematório) onde os corpos eram reduzidos a fumaça e cinzas.

A outra unidade, Auschwitz III, foi um campo de trabalhadores sujeitos ao trabalho forçado em um complexo de indústria química incluindo uma fábrica de borracha sintética. Outros 45 campos menores foram espalhados na região, como dormitórios de trabalhadores forçados. Ao chegar, os prisioneiros passavam por uma triagem em que eram separados os aptos para o trabalho forçado, ou que poderiam interessar às pesquisas médicas no hospital do conjunto, e os não selecionados eram encaminhados diretamente aos "banheiros"

O comandante central dos campos de Auschwitz foi o capitão Rudolf Franz Höss e o chefe das pesquisas médicas o médico Josef Mengele, este mais tarde refugiado no Brasil onde morreu.

Com o avanço das tropas russas em fins de 1944 e início de 1945, os campos de Auschwitz foram sendo evacuados, e os prisioneiros levados para campos de concentração no oeste. As tropas soviéticas encontraram 7.650 prisioneiros doentes e famintos quando lá chegaram em fins de janeiro de 1945. As estimativas divulgadas são de que 1,1 a 1,5 milhões de pessoas morreram em Auschwitz; 90 por cento delas judeus.

Apesar dos alemães terem destruído boa parte dos campos ao recuarem da Polônia em 1945, muito de Auschwitz I, o estacionamento dos prisioneiros, e de Auschwitz II (Birkenau), dos fornos crematórios, restou intacto e foi transformado em museu e memorial., e o complexo tem a proteção da UNESCO desde 1979.

(Nota: Dados disponíveis no Museu do Holocausto, em Washington, USA, visitado pelo Autor).

R.Q.Cobra
Doutor em Geologia
e bacharel em Filosofia.
199
7


Para citar este texto: Cobra, Rubem Queiroz - NOTAS: Vultos e episódios da Época Contemporâmea. Site www.cobra.pages.nom.br, INTERNET, Brasília, 1997
("www.geocities.com/cobra_pages" é "Mirror Site" de www.cobra.pages.nom.br)