COBRA PAGES
e seus
objetivos
--
Quem somos

reg.

COBRA PAGES: páginas em Educação e Cultura
Filosofia Moderna -  Filosofia Contemporânea - Filosofia no Brasil - Temas de Filosofia - Psicologia e Educação - Teatro
Pedagógico
- Higiene -
Boas Maneiras e Etiqueta -
Contos - Restauro - Genealogia - Geologia - Livros do Autor - CONTACTO

 

PMF-perguntas
mais freqüentes

ÍNDICE & BUSCA

 
 
 

NOVIDADES DO SITE

CARL STUMPF

Página de Educação e Comportâmento
escrita por Rubem Queiroz Cobra
(Site original: www.cobra.pages.nom.br)


Carl Stumpf, (1848-1936) filósofo e psicólogo teórico alemão que foi discípulo, na universidade de Würzburg, do psicólogo e filósofo Franz Brentano, o fundador do intencionalismo.

Stumpf foi professor na universidade de Göttingen em 1870, e sua primeira obra de importância foi Über den psychologischen Ursprung des Raumvorstellung ("Origem psicológica da percepção do espaço"). Lecionou depois na universidade de Würzburg. Lá, em 1875, ele começou suas experiências para o seu Tonpsychologie ("Psicologia dos tons"), 2 vol. (1883-90), uma obra dedicada à música. Completou o trabalho quando professor sucessivamente nas universidades de Praga (1879), Halle (1884), e Munique (1889). Esta obra foi importante não apenas por relatar os resultados de seus experimentos mas também por revisar conceitos da psicofísica, ciência voltada para a medição quantitativa tanto dos estímulos físicos como das sensações que eles produzem.

Em 1894 Stumpf atingiu a fase mais influente de sua carreira, como professor de filosofia e diretor do Instituto de Psicologia Experimental na Universidade Friedrich-Wilhelm, em Berlim. Continuando sua pesquisa sobre a psicologia dos tons musicais ele fundou um jornal, Beiträge zur Akustik und Musikwissenschaft ("Contribuições à Acústica e à Musicologia") em 1898 e em 1900 estabeleceu um arquivo de música primitiva. Ele foi também co-fundador da Sociedade de Psicologia Infantil de Berlim (1900). Em dois artigos importantes de 1907 ele enfatizou que o estudo experimental da experiência sensorial e imaginária (por exemplo, imagens, sons, cores) deve preceder ao estudo das funções mentais (percepção, vontade, desejo, etc.). Assim, ele trouxe para a psicologia sua própria versão da fenomenologia, a filosofia que se concentra no exame dos fenômenos de consciência. Até a aposentadoria de Stumpf em 1921, seu instituto em Berlim teve inúmeros estudantes que depois desenvolveram uma fenomenologia experimental.

Rubem Queiroz Cobra            
Doutor em Geologia e bacharel em Filosofia

Aberta em 04/07/2001

Direitos reservados. Para citar este texto: Cobra, Rubem Q. - Carl Stumpf. Site www.cobra.pages.nom.br, Internet, Brasília, 2001.
(www.geocities.com/cobra_pages é mirror site de cobra pages)

Utilize a barra de rolagem desta janela de texto para ver as NOVIDADES DO SITE
 
Obrigado por visitar COBRA PAGES