COBRA PAGES
e seus
objetivos
--
Quem somos

reg.

COBRA PAGES: páginas em Educação e Cultura
Filosofia Moderna -  Filosofia Contemporânea - Filosofia no Brasil - Temas de Filosofia - Psicologia e Educação - Teatro Pedagógico - Higiene - Boas Maneiras e Etiqueta - Contos - Restauro - Genealogia - Geologia - Livros do Autor - CONTACTO

 

PMF-perguntas
mais freqüentes

ÍNDICE

 
 
 

NOVIDADES DO SITE

Colégio de França
 

Página escrita por
Rubem Queiroz Cobra.
Site original: www.cobra.pages.nom.br

 

Para retornar
à página de
COBRA PAGES
em que estava,
use a seta de
volta do seu
navegador

No século XVI, a Universidade de Paris tinha quatro faculdades: Teologia, Direito, Medicina, Artes. O latim era a única língua usada. Essas escolas foram em sua maioria casas de debates onde se aprendia apenas pouca coisa de línguas, teologia, matemática, musica e astronomia.

Com a propagação das idéias através da imprensa a partir de 1455, e o surgimento do método científico no Renascimento,  a universidade tornou-se obsoleta, engessada em suas tradições. Necessitava-se de mestres de mente aberta aos novos conhecimentos e que soubessem bem transmiti-los aos seus alunos.

Em 1530 Francisco I, depois chamado “O restaurador das letras”, a conselho de Guillaume Bude, seu “maitre” de biblioteca, decidiu nomear seis "leitores Reais" para o ensino livre e gratuito, em salas de aula dos estabelecimentos de ensino já existentes na Capital.

Em 1551, Henrique II requisitou os Colégios de Tréguier e de Cambrai para neles reunir os leitores reais ate então distribuídos por alguns colégios de Paris.  Assim nasceu o Colégio Real, posteriormente denominado Colégio de França.

Em 1559, o rei expandiu o numero de leitores reais dando uma cadeira para Petrus Ramus  (Pierre de la Ramee), anti-aristotélica notório e de reconhecido saber, que ele convida para ensinar matemática

Luís XIII, da França e Navarra, a 28 de agosto de 1610, sob a regência de sua mãe a Rainha Maria de Médicis, lançou a primeira pedra de um novo prédio destinado a Escola.

Deste edifico, restaurado no reinado de Luís XIV em 1683, nada restou, porque foi inteiramente reconstruído pelo arquiteto Jean François Chalgrin no início do reinado de Luís XVI. As obras do novo edifício foram concluídas em 1778.

A
18 de janeiro de 1699 o Colégio real ganha suas armas, ao centro um livro azul aberto, no qual estão escritas as palavras omnia docet (tudo é ensinado) com três flores de lis de ouro.

O Colégio Real, que também foi chamado College Imperial é hoje o College de France.

 

Rubem Queiroz Cobra

R.Q.Cobra
Doutor em Geologia
e bacharel em Filosofia.
Página lançada em. 16-01-2011.

 

Direitos reservados.
 Para citar este texto:
Cobra, Rubem Q. - Colégio de França. Site www.cobra.pages.nom.br, INTERNET, Brasília, 2011 
("www.geocities.com/cobra_pages" é "Mirror Site" de www.cobra.pages.nom.br).

Utilize a barra de rolagem desta janela de texto para ver as NOVIDADES DO SITE
Obrigado por visitar COBRA PAGES