COBRA PAGES
e seus objetivos

--
Quem somos

reg.

COBRA PAGES: páginas em Educação e Cultura
Filosofia Moderna -  Filosofia Contemporânea - Filosofia no Brasil - Temas de Filosofia - Psicologia e Educação - Teatro
Pedagógico
- Higiene -
Boas Maneiras e Etiqueta -
Contos - Restauro - Genealogia - Geologia - Livros do Autor - CONTACTO

 

PMF-perguntas
mais freqüentes

ÍNDICE

 

Boa Educação no Trânsito: o que você pensa da FAIXA DE PEDESTRES? Para saber mais clique AQUI.

VERBETES E ÍNDICAÇÃO GERAL DAS PÁGINAS DE
  Boas-maneiras e Etiqueta

Página escrita por
Rubem Queiroz Cobra
(Site original: www.cobra.pages.nom.br)

 

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V X Y W Z 

S T U

S

 

Saca rolhas. Os simples exigem mais força e a ginástica de prender a garrafa entre os joelhos. Os  articulados utilizam algum sistema que facilita o trabalho de remover a rolha. Não convém tentar saca-rolhas inovadores complicados. O de asas pode não ser o mais rápido, mas trabalha com eficiência.

Salada. V.p.f. Como se come.

Salgadinhos. Batatinhas fritas, quibes, empadas, canapés, bolinhos de bacalhau, são próprios para coquetéis e não serão servidos em refeições formais. São secos e próprios para serem comidos com uso das mãos.

Sanduíches. V.p.f. Como se come.

Sanduíche colorido. É um pão de forma cortado em fatias horizontais separadas por recheios de patê de cores variadas. É, geralmente, apresentado inteiro sobre a bandeja – os convidados se servem de fatias cortadas a seu gosto –, ou cortado previamente em fatias com espessura de dois centímetros, como se faz com um bolo, ou cortado em cruz em porções de um quarto de uma fatia normal. O sanduíche de varias cores, deixado inteiro ou em quadradinhos, enfeitam muito o bufê.

NOTA:

Ingredientes:

  • Um pão de forma, próprio de sanduíche, descascado e cortado no sentido do comprimento em 6 (seis) fatias horizontais (mande cortar na confeitaria);

  • duas maçãs cozidas e amassadas;

  • 200 gramas de presunto passado na máquina e amassado com um pouco de manteiga; molho de maionese (o que baste para passar numa das fatias);

  • patê de tomate o bastante para passar numa das fatias;

  • 200 gramas de queijo parmesão ou prato, ralado e amassado com um pouco de manteiga.

Modo de fazer: Umedeça bem um guardanapo grande e com ele forre uma travessa; coloque no centro desse guardanapo uma das fatias horizontais do pão e passe sobre ela uma camada grossa do purê de maçãs; coloque em cima dessa camada de maçãs outra fatia de pão; sobre essa segunda fatia passe uma camada grossa do presunto amassado; arrume assim sucessivamente a fatia do pão com uma camada grossa de molho de maionese; outra com uma camada grossa de patê de tomate; e a quinta fatia de pão coberta com uma camada também grossa do queijo amassado. Finalmente, cubra o queijo com a última fatia de pão. Para conservar a umidade, dobre por cima de todo o pão, assim reconstituído, as pontas do guardanapo, de maneira que ele fique bem coberto, e ponha em cima uma bandeja ou placa retangular com peso suficiente para prensar e unir as fatias.

Este sanduíche deve ser feito de véspera. No dia seguinte, pouco antes de servir, desembrulhe com cuidado o pão e corte-o em pequenos quadrados de mais ou menos três centímetros. Esses quadrados altos e de várias cores dão um bonito aspecto à mesa do lanche. (Extraído de Comer Melhor, Dona Stella. Editora Civilização Brasileira S. A., Rio de Janeiro, 1965 – Dona Stella é a mãe do ilustre Frei Beto).

Sapatos. Feitos de uma variedade grande de materiais e modelos têm que ser escolhidos para finalidades específicas, e combinações adequadas com o restante da vestimenta, tanto na cor como no estilo. Classicamente, para o homem, seu material e sua cor se igualam com o cinto, e para a mulher, com a bolsa. Os homens devem mantê-los engraxados e justos (bem atados, quando forem de cadarço) e as mulheres não abusar no tamanho dos saltos, e seguir a moda sem aderir aos seus exageros.

NOTA: Parece que nenhuma peça do vestuário, ou outro seu acessório, é melhor indicativo da situação econômica de uma pessoa que os seus sapatos. Uma antiga história em Minas Gerais era que o gerente de banco, antes de se decidir, observava os sapatos do cliente que lhe pedia um empréstimo. Para o homem e a mulher, não podem estar deformados ou sujos – não se deve dar chance a alguém de saber de onde o outro vem, pelo barro nos seus sapatos. Roupas limpas e passadas, sem manchas, rasgos ou falta de botões, e sapatos bem conservados e engraxados, é um mandamento básico.

Sarcasmo. A pessoa espirituosa e bem humorada é um tipo de convidado sempre desejável. Mas não é bom quando é do tipo que forma um grupinho ruidoso, isolado dos demais convidados, para desfiar anedotas. Todo excitamento pode resultar desagradável: um excesso de comentários satíricos e ditos espirituosos logo deixa os interlocutores pouco à vontade. A pessoa bem humorada pode passar seu bom humor ao grupo, alegrar a roda de conversação e influir para o bom êxito de uma festa. Porém, muita vivacidade é inconveniente, pode levar a exageros, e derivar para a ofensa. Um dito humorístico de que for o alvo pode atingir o amor próprio do interlocutor.

É muito difícil lidar com o sarcasmo, porque este sempre agradará a boa parte dos ouvintes, às custas daquele que é objeto dos risos. Há uma expressão bastante conhecida relativa a pessoas que são espirituosas compulsivas: elas preferem perder um amigo a perder a oportunidade de fazer uma piada. Uma pessoa bem educada e mental e pessoalmente madura não utiliza alfinetadas nem como resposta a alguma que receba. Procura responder com sensatez e seriedade.

Saudar. Quando um funcionário encontra seu chefe, é dele a obrigação de saudar, p. ex., dizer “Bom dia”, ao superior. Estender a mão, porém, é prerrogativa do chefe. Quem estende a mão é o funcionário mais graduado, o mais velho, a mulher - porque cabe a eles decidir se desejam ou não tomar essa iniciativa.

Serviços de mesa. V.p.f. a página Ao restaurante.

Shish-kabob. O mesmo que Churrasquinho.

Solenidade. O mesmo que Cerimônia.

Solenidade. No quadro de definições proposto por mim, uma solenidade é um evento social que obedece a um protocolo, sujeito a um Cerimonial. São eventos dessa categoria as Cerimônias e as Reuniões solenes.

Além das cerimônias, entre os eventos sociais solenes contam-se também as reuniões solenes. É a reunião que obedece a um protocolo quanto à forma de convidar, quanto ao traje a ser usado, quanto ao seu transcurso e encerramento, mas não contam com um ritual.

Sopas. A sopas que já vem no prato é servida pela direita do comensal. Porém quando é servida à mesa pelo garçom, a partir de uma terrina, o serviço é pela esquerda.

Sorriso. Ilumina o rosto, cria simpatia, mostra acolhimento e boa vontade, suaviza uma observação contrária ou uma recusa, desarma o crítico. Revela sentimentos como o de ironia, felicidade, orgulho, amor e afabilidade. É a forma mais discreta do riso.

Strega. V.p.f. Bebidas destiladas, coquetéis e licores.

Sushi. Comida japonesa consistindo de peixe cru, cortado em pedaços. Pode ser comido com um garfo ou com pauzinhos. Não se morde ou se corta com a faca os bocados, porque são para serem comidas inteiras, depois de mergulhados em um molho de soja ou outros condimentos em um pratinho.

   
 
 

Fig. S-1

Suspensórios. Par de tiras de tecido ou de couro, cruzadas nas costas e que têm, nas quatro pontas, prendedores metálicos de pressão ou casas para botões, as quais, passadas sobre os ombros, sustentam as calças masculinas (Fig. S-1). Os suspensórios são pouco usados atualmente, e as calças vêm com alças para os cintos.

NOTA. Se o homem prefere manter as calças em posição com o uso de suspensórios, deve usar um cinto folgado para ocupar as alças ou encomendar calças a um alfaiate sem esse detalhe, e providas dos botões próprios, se for o caso. 

T

Taboa-de-cortar. Placa de madeira ou de plástico especial, para corte de carnes, frutas, verduras etc., cuja principal vantagem é não gastar o corte da faca.

Talher. V.p.f. a página Mesa de refeições: seu aparelhamento e o uso dos talheres.

Tapete. O tapete é um elemento de forro e proteção para um piso valioso, ou quando o próprio tapete é uma peça valiosa, é um elemento de decoração suspenso em uma parede ou forro de mesa.. Como proteção do piso, está sujeito a desgaste desigual e precisa ser substituído quando tem partes puídas ou desfiadas. Assim como se cuida do aspecto estético pessoal, cuida-se também que o ambiente seja agradável quanto à sua decoração, o que requer uma compatibilização de cores e de estilos, entre o tapete e as demais peças da decoração. O tamanho próprio para o tapete estará, também, em proporção estética com a área e com as peças. Quando colocado sob a mesa de jantar, deve ser um pouco maior que o limite externo das cadeiras, incluído o pequeno afastamento delas necessário para que uma pessoa tome assento.

NOTA. Tapetes que não aderem bem ao piso precisam levar um tecido anti-deslizante por baixo. Além do risco de ele próprio escorregar, o anfitrião corre outro que é causar a queda de um convidado. Um tapete influi muito na higiene do ambiente e por isso requer uma aspiração diária do pó, quando em área de muito movimento. Antes e após uma recepção, os tapetes devem ser aspirados demoradamente para eliminação de areia e pó, fragmentos de comida, e ser lavado de tempos em tempos para uma limpeza completa. etc. Quando sujos, deixam no ar um desagradável cheiro de poeira, ou de alimento azedo que tenha sido derramado, ou um cheiro peculiar se está molhado com água derramada.

Teatro. O teatro tem tradicionalmente lugares marcados, embora o mesmo não aconteça com o cinema, ainda que a mesma sala seja utilizada para os dois tipos de espetáculos. Diferentemente dos assentos dos aviões, que marcam as fileiras de assento com números e as poltronas com letras, os cinemas e teatros em geral marcam ao contrário, fileiras com letras e poltronas com números. A numeração também é dividida em números pares e ímpares, os pares à direita de quem olha para o palco, e os ímpares à esquerda, e as duas séries tem início no corredor central, aumentando a numeração do centro para a lateral da sala. Os lugares recebem numeração, nos cinemas e teatros, como mostra o esquema da Fig. T-1; as letras podem ser vistas na lateral de cada assento ao longo do corredor principal, a partir de “A” que é a fila mais próxima do palco, e a ordem alfabética avança de “A” para “Z” no sentido do final da platéia,  e os números estão na parte de trás do encosto da poltrona.,.

   
 
 

Fig. T-1

NOTA: Nem todas as pessoas conseguem entender que um lugar numerado está, de fato, reservado ao portador do bilhete que tem aquele número. Acham que o dono do assento do qual se apropriam irá também apropriar-se do número de alguma outra pessoa, e por isso lugar marcado não vale. Essa prova de imaturidade o espectador, ou o viajante, deve evitar. Evitará reclamações e situações vexatórias se verificar com atenção o número de sua poltrona e localizá-la corretamente. Em caso de alguma dificuldade, é prudente pedir ajuda a um funcionário, e ouvir com atenção as suas instruções.

Templo-e-religião. V.p.f. a página Religião:Boas-maneiras e Etiqueta.

Terrina. Recipiente geralmente de faiança ou cerâmica, com orelhas ou alças, onde a sopa, a feijoada, e caldos quentes são colocados para serem levados à mesa. A pequena terrina é usada em serviço individual.que pode ter alças.

Tigelinha-de-lavanda. Recipiente em forma de minúscula bacia, com diâmetro igual ou pouco menor que o do pratinho de pão, fundo de 2 a 3 cm, feito de estanho, porcelana ou cristal, que é colocada em um pratinho de serviço. Contem água morna na qual o comensal lava as pontas dos dedos depois de comer frutas ou alimento com uso direto das mãos. A água não é perfumada, mas pode ter um pouco de camomila, pétalas de rosa ou uma flor, fatia fina ou casca de limão. É colocada no lado esquerdo do prato de refeição

NOTA. A tigelinha de lavanda em eventos menos formais é comumente substituída por um lenço-molhado fornecido em um saquinho impermeável de plástico.. 

Topázio. V.p.f. Pedras-e-adereços.

Touca. A touca é um chapéu de copa mole e franzida, com aba caída. Alguns modelos modernos são usados para o trabalho no jardim.

Tratamento. No Brasil não se chama uma mulher pelo seu sobrenome e, portanto não se diz, p. ex., “Sra. Oliveira”, ou “Senhora Pinto”. Os autores de livros sobre Boas-maneiras sempre insistiram em que uma pessoa educada, referindo-se a uma mulher casada, usará a expressão “senhora” ou “Dona”. Uma outra pessoa haverá de referir-se à mulher do outro como tua ou “sua senhora” ou “esposa” evitando-se “mulher”. Mas o marido deverá chamá-la “minha mulher”, nunca “minha senhora” ou  “minha esposa”. Algumas expressões são demasiado simplórias e devem ser evitadas, mesmo na conversa coloquial, como “minha patroa”, “minha velha”. Para a mulher, o uso comum é “meu marido”,  ou teu ou “seu marido”. Porém, no tratamento cerimonioso, devem ser observados os pronomes de tratamento adequados.

U

Ufania. Mostra de orgulho na exibição ou referência aos bens que possui. Vaidade incontida. O mesmo que jactância.

Uísque. V.p.f. Bebidas-alcoólicas.

Ultrage. Insulto, afronta, ofensa extremamente grave que atinge a honra de alguém.

Uniformes e fardas. Importante que estejam limpos e passados, e principalmente que “caiam bem”. Um militar gordo metido em uma farda apertada é uma figura ridícula e um desprestígio para o Exército. Os uniformes das grandes empresas são obras de designers da moda e alguns têm a assinatura de costureiros famosos. Cabe a quem os usa completar a boa aparência com os cuidados de limpeza e de manter-se dentro do figurino, vigiando o peso. Para os empregados domésticos, o uso de batas e uniformes pode ser parte do contrato. É importante que garçons estejam propriamente vestidos para serem notados com facilidade pelos convidados. Quando a copeira ajuda a anfitriã a servir um jantar ou um chá, é essencial que use uma bata de boa qualidade e desenho, e isto deve ser acertado com a patroa na ocasião, se – por não estar em seu contrato –, depender de um pagamento extra.

Urbanidade. Modos corteses e elegantes. V. Tb. Boas-maneiras; Graciosidade; Cavalheirismo; Galanteio; Polidês; Civilidade.

Uvas. Uvas podem ser oferecidas junto com a sobremesa, e podem ser comidas com o uso das mãos. Se as uvas estão em uma bandeja, elas não são retiradas uma a uma pelo comensal, mas em pequenos cachos separados do cacho maior. Junto ao cacho de uvas é usual que seja colocada uma pequena tesoura, a fim de serem cortadas as hastes. Não havendo esse instrumento, com os dedos se rompe a haste menor da haste principal, e do pequeno cacho, no prato de sobremesa, separam-se as uvas.

NOTA: O procedimento de separar pequenos cachos do cacho maior, em lugar de destacar cada uva com a mão, evita que fiquem na bandeja vários talos com restos da fruta arrancada, prejudicando o aspecto da bandeja de frutas.

Uvas brasileiras. V.p.f. a página Uvas mais cultivadas no Chile, Brasil e Argentina.

2001/2009
R.Q.Cobra

Direitos reservados. Texto impresso original depositado no Escritório de Direitos Autorais da Biblioteca Nacional. 
Para citar este texto:
Cobra, Rubem Q. - Verbetes de Boas-maneiras e Etiquetaa Filosofia. Site www.cobra.pages.nom.br, INTERNET, Brasília, 2001/09
("www.geocities.com/cobra_pages" é "Mirror Site" de www.cobra.pages.nom.br).

Todos os links desta página devem estar funcionando. Se há um link nesta página que não está funcionando, por favor, avise-me. Insira em sua mensagem o TÍTULO da página onde encontrou o link defeituoso. Fico-lhe antecipadamente agradecido pela cortesia de sua colaboração.
Rubem Queiroz Cobra